Por: diario | 09/02/2018

Na sessão da Câmara de Vereadores de Ituporanga, realizada na quarta-feira (7), os edis autorizaram a instauração de uma Comissão Processante, que tem como objetivo investigar a conduta do prefeito Osni Francisco de Fragas, o Lorinho (PSDB).

A denúncia foi assinada pelo assessor parlamentar da bancada oposicionista do MDB, Marcos Orlando Cordeiro Filho, que solicitou a investigação por acreditar que Lorinho cometeu atos incompatíveis com a dignidade e o decoro do cargo que exerce.

A instauração foi aprovada por Édio Daniel Fernandes, o Edinho (MDB), Almir Schaffer, o Tite (MDB), Diogo Gastaldi (MDB), Claudinei Eyng, o Beleco (MDB), Adriano Coelho (PP) e Leandro Heinzen (PSB). Os votos contrários a instauração foram de Marcelo Machado (PP), Rodolfo Stadnick Filho (PP), José Eudes Damann (PSDB) e Mário César Hillesheim (PSDB). O presidente da Mesa Diretora, Jaime Roberto Sens (PSDB), só teria direito ao voto em caso de empate.

A investigação deve apurar a conduta do prefeito em dois vídeos divulgados em redes sociais, gravados durante o fim de semana por terceiros, onde em um Lorinho aparece dançando com uma mulher, a qual não é sua esposa, e outro onde ele aparece urinando em público, no pátio de uma lanchonete localizada em Rio do Sul, ao lado do seu veículo particular. A denúncia diz ainda que ele estaria supostamente embriagado durante os atos.

O que diz Lorinho

“Povo de Ituporanga, entendo que mediante aos fatos noticiados quanto a denúncia para apurar atos de minha conduta, acredito que devo uma satisfação ao povo da minha querida cidade.

Em primeiro momento recebo com absoluta tranquilidade esta notícia. Minha serenidade neste momento se deve ao fato de não ter cometido crime algum, tão menos desrespeitado alguém.

Quem me conhece sabe que este é meu jeito simples de ser, não cultivo maldade e nunca tive a intenção de envergonhar o meu povo, ao contrário, acordo ainda na madrugada para trabalhar incansavelmente por Ituporanga.

Sou homem público há mais de 40 anos, tenho mais de 70 anos de idade e jamais faria algo que pudesse ser motivo de qualquer ataque.
Cabe aqui mencionar que o autor desta denúncia é possuidor de cargo comissionado da bancada de oposição ao nosso governo na Câmara de Vereadores, caracterizando e me trazendo a certeza que a mesma ocorreu unicamente com o intuito de prejudicar o andamento do nosso trabalho para com Ituporanga.

Respeito nossa Câmara de Vereadores, entretanto não posso concordar com semelhantes práticas, onde o único intuito é tentar atrapalhar o andamento da nossa gestão.

Por fim, reitero minha tranquilidade frente às infundadas acusações, bem porque tenho a certeza que quem me conhece sabe do meu agir e da minha inabalável vontade de trabalhar pelo desenvolvimento da nossa querida Ituporanga.

O que acontece agora

A Comissão Processante, definida por sorteio, é formada pelos vereadores Marcelo Machado (PP), Adriano Coelho (PP) e Leandro Heizen (PSB). De acordo com o presidente do Legislativo, Jaime Sens (PSDB), nesta sexta-feira (9) a comissão deverá se reunir para definir quem será o relator da investigação.

A partir disso, terão um prazo de cinco dias para fazer a juntada de documentos e notificar Lorinho. O prefeito terá um prazo de 10 dias para apresentar sua defesa por escrito. Após isso, a comissão terá mais 10 dias para analisar o caso e o relator deverá apresentar seu parecer para o arquivamento, ou continuidade do processo. Todo o trâmite não poderá ultrapassar 90 dias.

Para ser efetivada a cassação do prefeito, são necessários oito votos, dos 11 vereadores da Casa Legislativa.

Rafael Beling