Por: diario | 13/07/2017

A Câmara de Vereadores de Ituporanga aprovou por unanimidade na última segunda-feira (10) a instalação de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI), que irá investigar supostas irregularidades nas obras realizadas pela empresa JMK Artefatos de Cimento, de Aurora, entre os anos de 2014 a 2016. Agora, todos os contratos firmados entre a JMK e a Prefeitura serão avaliados por uma perícia técnica, e o processo deve demorar pelo menos 120 dias.

De acordo com o autor da indicação que resultou na CPI, o vereador Marcelo Machado (PP), a JMK foi responsável por praticamente todas as obras de calçamento no município nos últimos anos. Segundo ele, entre as obras realizadas pela empresa está o calçamento de duas ruas do bairro Girassol, que ainda não foi concluído, mas consta na licitação como finalizado. “Eu fui ver algumas ruas e só duas eu pude verificar por enquanto, e nessas duas têm licitação dizendo que elas estavam calçadas, e eu fui no local e verifiquei que não, que só tem cascalho lá. E agora nós estamos contratando uma empresa para verificar cada licitação, cada obra feita, para ver se efetivamente foi ou não concluída”, explica.

O vereador ainda conta que o objetivo inicial era criar uma sindicância, mas o regimento não permite esse tipo de ação na Câmara de Vereadores. “Optamos pela instalação da CPI, e em um ato de imparcialidade, todos os 11 vereadores assinaram, porque aqui eu entendo que todos estão com o intuito de que os fatos sejam realmente apurados e que a verdade venha à tona”, ressalta Machado.

O presidente da Câmara de Vereadores de Ituporanga, Adriano Coelho (PP), declarou durante a sessão de segunda-feira que a CPI terá todo o orçamento necessário à disposição. “Solicito que as bancadas se reúnam e informem o nome dos membros e suplentes para que se iniciem os trabalhos de investigação já nas próximas sessões. Coloco a inteira disposição o orçamento necessário para a realização da CPI, bem como a estrutura da Câmara de Vereadores de Ituporanga”, afirmou.

 

Prazos

Machado conta que a CPI tem um prazo de 120 dias para ser encerrada, mas tudo vai depender da perícia técnica. O vereador ainda explica que, caso seja necessário, ele pode pedir a prorrogação do prazo, mas a ideia é resolver essa questão nos quatro meses previstos para a investigação.

Atualmente, a JMK não possui mais nenhuma obra em andamento no município. Machado acredita que a empresa tenha concluído obras pendentes do ano passado neste ano, mas não esteja participando de nenhuma nova licitação.