Por: diario | 15/06/2017

As vendas do varejo subiram 1,9% em abril de 2017 ante o mesmo período do ano anterior e 1,0% em relação a março. No entanto, o índice acumula queda de 1,6% no ano e recuou 4,6% em 12 meses.

Na passagem de março para abril de 2017, o avanço de 1,0% no comércio varejista foi acompanhado por três das oito atividades pesquisadas. A principal influência positiva foi a do setor de Hipermercados, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo, que apresentou aumento de 0,9% nas vendas, após 6,0% de queda acumulada nos dois meses anteriores.

Em seguida, vieram as atividades Tecidos, vestuário e calçados, com alta de 3,5%, e Equipamentos e material para escritório, informática e comunicação, que subiu 10,2%. As duas atividades também registraram taxas positivas frente a março de 2017.

A pressão negativa veio dos segmentos Livros, jornais, revistas e papelaria (-4,1%); Móveis e eletrodomésticos (-2,8%), Combustíveis e lubrificantes (-0,8%); e Artigos farmacêuticos, médicos, ortopédicos, de perfumaria e cosméticos (-0,4%). Já as vendas do setor de outros artigos de uso pessoal e doméstico (0,1%) ficaram estáveis em relação ao mês anterior.

O resultado da comparação mensal foi superior à mediana das projeções do mercado, que indicava alta de 0,10%. A comparação anual veio acima do teto das projeções dos analistas, que variavam de -3,0% a 1,0%.

No varejo ampliado, que considera os setores de automóveis e de material de construção, além dos segmentos sondados pelo varejo restrito, as vendas caíram 0,4% em relação a abril de 2016 e recuaram 1,8% no ano, além da queda de 6,3% em 12 meses.