Por: diario | 07/02/2019

Segundo o relatório apresentado nesta quarta-feira (6), pela Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea), as vendas internas de máquinas agrícolas e rodoviárias no atacado atingiram 2,6 mil unidades em janeiro no Brasil, alta de 64,5% na comparação do mesmo mês em 2018. Porém, se comparado com dezembro, tiveram um recuo de 40,1%. Já no Alto Vale, as vendas começam a acontecer em maior quantidade em março, período em que os agricultores mais comercializam as culturas de fumo e cebola.

De acordo com os dados, a produção dos maquinários chegou a 2,8 mil unidades em janeiro, expansão de 3,5% em comparação com mesmo mês do ano passado. As exportações de máquinas agrícolas, em valores, totalizaram US$ 232,8 milhões em janeiro de 2019, que significa uma retração de 23% na comparação com 2018. O total de máquinas agrícolas exportadas em janeiro chegou a 693 unidades, com um recuo de 10,6% em relação a igual mês do ano passado.

Claison Rückert, que é gerente de uma loja de Rio do Sul autorizada na venda de máquinas agrícolas da marca Massey Ferguson, explicou que aqui no Alto Vale, a maior quantidade de vendas acontece no fim da safra de cebola e fumo, em meados de março, já que esta, geralmente é a época em que os agricultores começam a vender as culturas.

Quer receber as notícias no Whatsapp? Clique aqui

“Aqui na nossa região acontece melhora em março, janeiro não é referência. A expectativa é de que o negócio comece a reagir daqui para frente, porque a colheita de fumo começa a ser finalizada e a cebola já está em fase de venda, e ninguém faz prestação para pagar em janeiro ou fevereiro, porque para o agricultor a venda dos produtos acontece nesta época e é mais garantido de que ele consiga pagar”.

Elvis Pandini, gerente de outra loja de máquinas agrícolas, desta vez autorizada da marca Valtra, também disse que as vendas começam a fluir em março e revelou que a expectativa é de fazer grandes negócios neste ano, já que nos anteriores, superou até mesmo a estimativa nacional.

“A gente começa a comercializar com mais intensidade no fim de fevereiro e em março, pois é época que as culturas aqui da região começam a ser vendidas, mas isso não quer dizer que a gente vá vender menos neste ano ou que ainda não vendeu neste mês, é que as vendas são mais retardatárias aqui no Alto Vale e no mês que vem a quantidade será bem maior. Tanto que nos últimos anos, a nossa média de venda de máquinas agrícolas superou a nacional, só que ela acaba se propagando mais no período de março até outubro”.

Para o empresário Evandro dos Santos, que comercializa maquinário novo e usado, a venda de equipamentos novos caiu muito nos últimos anos pela burocracia e pela alta taxa de juros, mas ainda há espera de melhora.

“Normalmente para nós as vendas melhoram depois de março, só que a venda de equipamentos novos caiu muito de uns anos para cá, pois ficou mais difícil burocraticamente para fazer a venda financiada e também aumentou muito a taxa de juros”.

Elisiane Maciel