Por: diario | 30/10/2019

 

Luana Abreu

 

Os municípios de Aurora, Vidal Ramos e Ituporanga estão sem representantes no cargo de vice-prefeito. Atualmente as três cidades estão sendo comandadas por políticos que haviam sido eleitos como vices, mas que acabaram assumindo o Executivo, como é o caso de Alexsandro Kohl, o Xandão (MDB), Odilmar de Souza (MDB) e Gervásio Maciel (sem partido).

 

Aurora

 

Em Aurora o prefeito eleito Alfonso Maria Souza, o Fumo (MDB), foi afastado do cargo depois de ser condenado pelo Tribunal de Justiça de Santa Catarina (TJSC) pelo crime de lesão corporal. Na época ele recebeu a pena de três meses de detenção, inicialmente no regime aberto, além da suspensão dos direitos políticos. A decisão foi emitida em 8 de novembro de 2017.

 

A determinação foi feita pelo juiz da Vara Criminal da Comarca de Rio do Sul, Cláudio Márcio Areco Júnior, comunicando à mesa diretora da Câmara de Vereadores que ela deveria declarar a extinção do mandato do então prefeito, sendo que o cargo deveria ser assumido pelo então vice-prefeito Alexsandro Kohl (MDB).

 

A agressão ocorreu no dia 6 de dezembro de 2014, no Centro Esportivo Deonas, em Ituporanga. Fumo teria ofendido a integridade física de Nicolau Kohn, ao arremessar um copo de vidro em seu rosto, causando lesões corporais, conforme o laudo pericial. Um fato que chama a atenção é que mesmo após o afastamento ele foi como chefe de gabinete na Prefeitura de Aurora e responde também pela Secretaria de Obras do município.

 

Vidal Ramos

 

Em Vidal Ramos Laércio da Cruz (MDB) e Helmut Stoltenberg (PP) foram reeleitos prefeito e vice-prefeito nas eleições de 2016. Porém, foram condenados em primeira instância na Justiça Eleitoral por terem extrapolado, no primeiro semestre do ano da eleição, os gastos com publicidade institucional. Foi determinada também a cassação dos registros de candidatura e inelegibilidade pelo período de oito anos, por abuso de poder político e econômico.

 

Em recurso em segunda instância, os juízes do Tribunal Regional Eleitoral de Santa Catarina (TRE-SC) decidiram, por maioria, afastar a inelegibilidade do vice-prefeito, mas mantiveram cassados os registros de candidatura dos dois e declararam inelegível o prefeito eleito.Depois, Laércio e Helmut entraram com recurso no Tribunal Superior Eleitoral (TSE), que deu mandado de segurança para que eles assumissem os cargos até o julgamento e publicação dos embargos de declaração no TRE-SC.

 

Em junho de 2018, os embargos foram rejeitados e os dois pediram a prorrogação da liminar que os mantinha nos cargos de prefeito e vice, o que foi negado pelo TSE. Então, o TRE-SC determinou novas eleições, o que foi autorizado pelo TSE e o então presidente da Câmara, Vânio Petry (PP), passou a comandar o Executivo temporariamente.

 

Em outubro do ano passado, durante o 2º turno da eleição presidencial, os vidalramenses foram às urnas também para escolher o novo prefeito. No pleito, Helmut foi eleito e assumiu o cargo em 19 de novembro. Em março, o então vice-prefeito Odilmar de Souza, o Nego (MDB), assumiu interinamente a prefeitura depois que Helmut sofreu um acidente vascular cerebral (AVC). Em maio, o prefeito afastado morreu em virtude um câncer no pâncreas. Com o falecimento do então prefeito, Odilmar assumiu definitivamente.

 

Ituporanga

 

Em 15 de julho, o então prefeito de Ituporanga Osni Francisco de Fragas, o Lorinho (PSDB), foi afastado do cargo, por 180 dias pelo Tribunal de Justiça de Santa Catarina, com base em um pedido do Ministério Público de Santa Catarina (MPSC). A suspeita é de que ele tenha cometido crimes contra a administração pública relacionados com a coleta do lixo do município. Com a medida, o vice-prefeito Gervásio Maciel (sem partido) assumiu o comando da cidade.