Por: diario | 12/04/2018

O novo funcionamento do cheque especial foi anunciado um ano após a adoção de novas regras para o rotativo do cartão de crédito. Ao contrário da autorregulação anunciada ontem, a medida do cartão foi imposta pelo Banco Central. O efeito foi imediato: o juro médio do rotativo caiu de 490,3% em março do ano passado para 333,9% em fevereiro de 2018.

O efeito positivo, porém, gerou um efeito secundário negativo para o sistema financeiro. Clientes que persistem no rotativo são incentivados a migrar para o parcelamento do cartão. Nessa operação, o volume de empréstimos cresceu 50% em um ano e alcançou R$ 16,7 bilhões em fevereiro. Para esses clientes, ocorreu o contrário: o juro subiu e passou de 158,5% um mês antes do novo sistema e alcançou 174,3% em fevereiro.

Ao apresentar as novas regras do cheque especial ontem, o presidente da Federação Brasileira dos Bancos (Febraban), Murilo Portugal, disse que cada banco terá liberdade para oferecer a linha de crédito mais barata aos clientes que persistirem no uso do cheque especial. “Será uma decisão de cada instituição. A obrigatoriedade é ser mais barato. Quanto mais barato será, vai depender de cada banco”, disse.

Ofertas:

As ofertas das opções mais vantajosas para pagamento do cheque especial, devem ocorrer em até cinco dias úteis após os bancos constatarem que o cliente se enquadra neste caso. O cliente não será obrigado a contratar uma das alternativas oferecidas pelos bancos. Nesses casos, os bancos terão que reiterar as ofertas aos clientes a cada 30 dias. Se o cliente optar por parcelar a dívida do cheque especial, os bancos terão a opção de manter ou não o limite de crédito dessa modalidade ao consumidor.

No cartão, ao contrário, quem não agir após comunicação do banco entra na lista de inadimplentes. Portugal disse que foram feitas pesquisas e consultas com consumidores, que reprovaram eventual operação compulsória. Fonte que acompanhou as negociações disse ao Estadão/Broadcast, porém, que bancos e o próprio Banco C optaram pela ação voluntária porque a obrigatoriedade do rotativo sofreu questionamentos legais até do Ministério Público.

O presidente do Itaú Unibanco, Candido Bracher, disse que ainda é difícil avaliar qual será o efeito financeiro da medida para os bancos, já que tende a reduzir receita, mas poderá ajudar a reduzir o calote. “Sendo mais baixa, a receita para o banco poderá ser menor, mas as pessoas poderão administrar melhor o saldo devedor”, explicou o executivo.

O presidente executivo do Bradesco, Octavio de Lazari, avalia que as regras “retiram fator de incerteza para o controle do orçamento das famílias”.

O Bradesco informou que já dispõe de produtos para refinanciar o cheque especial, a taxas mais convenientes, mas que a oferta de uma linha específica permitirá “aumento do interesse por esse tipo de alternativa”.

Receba primeiro as notícias do Jornal Diário do Alto Vale, faça parte do grupo de Whatsapp. Clique aqui