Por: diario | 27/09/2018

No dia 29 de setembro, comemora-se o Dia Mundial do Coração, uma iniciativa da Federação Mundial do Coração, em parceria com a Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura, (Unesco) e Organização Mundial da Saúde (OMS). Para reforçar a data, neste mês foi lançada a campanha “Setembro do Coração”, pela Sociedade Brasileira de Cardiologia (SBC) e a Associação Médica Brasileira (AMB), a ação tem como objetivo marcar a luta contra as doenças cardiovasculares.

De acordo com o cardiologista e Diretor Presidente da Unimed Blumenau, Alexandre José Ferreira, “as doenças cardiovasculares são a principal causa de mortes no Brasil, responsáveis por mais de 30% do total de óbitos registrados”.

Quer receber as notícias no Whatsapp? Clique aqui

De acordo com a projeção da SBC, até o final do ano, o Brasil deve registrar aproximadamente 390.000 mortes por doenças cardiovasculares. Em 2017, de acordo com a entidade, foram registrados no país 383.961 óbitos por doenças cardiovasculares e, em 2016, 362.091. O cardiologista destaca que, “é um número muito alto. Precisa-se investir ainda mais em prevenção e combate aos fatores de risco para o órgão. Para os pacientes com problemas no coração, por exemplo, precisa-se ir ao médico com regularidade”.

Conforme explica Ferreira, as doenças mais frequentes de coração são: hipertensão arterial sistêmica, angina do peito, infarto agudo do miocárdio, insuficiência cardíaca, arritmias e cardiopatias congênitas. Os sintomas mais frequentes das doenças são: hipertensão: cefaléia, tontura, acidente vascular cerebral (AVC); arritmia: palpitação; angina do peito: dor no peito; infarto: forte dor no peito; Insuficiência cardíaca: falta de ar e fraqueza; cardiopatias congênitas: falta de ar e cianose.

“A prevenção é o principal meio para combater as doenças cardiovasculares. As principais precauções são: realizar caminhadas diariamente, evitar alimentos gordurosos e com excesso de sal e fazer exames periodicamente, seguindo orientação do médico assistente”, finaliza o cardiologista e Diretor Presidente da Unimed Blumenau.

Mitos X Verdades das doenças cardiovasculares

O cardiologista e Diretor Presidente da Unimed Blumenau, Alexandre José Ferreira, explica sobre os mitos e verdades relacionados às doenças cardiovasculares.

Somente obesos têm problemas cardíacos: A obesidade é um dos fatores que aceleram o processo de aterosclerose coronária (acumulo de gordura), podendo aumentar a chance do indivíduo em desenvolver hipertensão arterial e doenças cardíacas, mas pessoas magras também podem ser afetadas, principalmente se tiverem fatores de risco.

Doenças cardíacas são problemas apenas dos idosos: Em fator da idade, a incidência é maior, mas várias pesquisas contabilizam que um terço dos infartos acontece em pessoas com menos de 65 anos de idade.

Quer receber as notícias no Whatsapp? Clique aqui

Atletas estão livres de doenças cardíacas: Não, mas por praticarem esportes diariamente reduz a probabilidade de acúmulos de gorduras e o índice de colesterol alto. A possibilidade de desenvolver doenças cardíacas é menor nas pessoas que levam uma vida saudável, com atividade física e uma boa alimentação. Mas isso não impede que possam ter problemas cardíacos se a causa for de origem genética ou tiverem fatores de risco (fumo, hipertensão arterial, diabetes mellitus, dislipidemia, estresse, síndrome metabólica, sedentarismo).

Nathália Heidorn
Presse Comunicação Empresarial

Veja também as últimas atualizações: