Por: diario | 10/09/2019

Helena Marquardt

Prefeituras, empresas e até mesmo residências de sete cidades do Alto Vale foram alvo nesta terça-feira (10) de uma operação deflagrada pelo Grupo de Atuação Especial de Combate às Organizações Criminosas (Gaeco). Intitulada de “Curupira” ela apura crimes contra a administração pública e o meio ambiente. Depois de um dia todo de grande movimentação, ela terminou com suspeitos presos e provas recolhidas que devem embasar futuras denúncias na justiça.

Ao todo foram cumpridos oito mandados de prisão preventiva, sete afastamentos das funções públicas e 28 mandados de busca e apreensão nos municípios de Rio do Sul, Lontras, Ibirama, Aurora, Ituporanga, Taió e Salete. Os mandados foram expedidos pela Vara Criminal da Comarca de Rio do Sul a pedido do Ministério Público de Santa Catarina (MPSC).

Por volta das 6h da manhã agentes chegaram a Prefeitura de Rio do Sul para coletar documentos e impediram que os servidores acessassem o prédio central que ficou fechado durante toda a manhã. Por causa da operação, funcionários foram dispensados e retornaram ao trabalho somente às 13h após uma liminar concedida pela justiça.
A reportagem apurou que vários servidores da prefeitura de Rio do Sul tiveram mandados de prisão preventiva expedidos e ainda foram afastados das funções públicas, entre eles o diretor de Meio Ambiente, Anderson Luis Goral, o servidor da Secretaria de Infraestrutura,Tarcísio Testoni, o secretário de Obras, Rômulo Ouriques e o secretário de Infraestrutura, Aldonir Xavier. A informação de que eles estariam detidos não foi confirmada pelo Presídio Regional, que revelou que até às 18h nenhum deles tinha dado entrada na unidade.

Outros servidores de órgãos do Governo do Estado também tiveram a prisão preventiva decretada como Juliano Cesar Goral, gerente da coordenadoria de Rio do Sul do Instituto de Meio Ambiente (IMA).

O procurador jurídico da Prefeitura de Rio do Sul, Jairo Welmuth esclareceu que teve acesso apenas as informações do mandado com a delimitação de todos os documentos que o Gaeco buscava no Executivo. “Eles foram mais direcionados ao setor de Infraestrutura, Meio Ambiente e Tesouraria e a grande maioria dos documentos já foram coletados e feitas cópias dos HDs dos computadores da área de Meio Ambiente, fora isso não temos mais informações”, disse.

Já na prefeitura de Lontras os policiais chegaram por volta das 8h e ficaram no local por aproximadamente 45 minutos. Nesse tempo coletaram documentos apenas no setor de Meio Ambiente, mas os servidores dos demais setores puderam trabalhar normalmente e o atendimento à população não foi comprometido.

De acordo com o advogado da prefeitura, Jean Christian Weiss, a operação é sigilosa e eles não foram informados sobre o que estaria sendo investigado, mas colaboraram com a polícia. “Não temos conhecimento do que efetivamente se trata, só que ela se desenrola em várias outras cidades da região e a única coisa que temos até agora é a entrega dos documentos e a determinação do nosso prefeito para que toda e qualquer diligência, esclarecimento e requisição do Ministério Público seja prontamente atendida”, declarou.

Ele comentou ainda que em Lontras cinco policiais integrantes do Gaeco deram cumprimento a um mandado de busca e apreensão no setor de Meio Ambiente. “Eles nos solicitaram acesso ao Departamento de Meio Ambiente, aguardamos a chegada do servidor responsável e eles diligenciaram em busca de alguns documentos e tão logo eles encontraram, levaram os documentos e a diligência se encerrou”, relata.

Os demais mandados, foram cumpridos em empresas e residências da região. Já as assessorias de imprensa das prefeituras de Ibirama, Taió, Ibirama e Salete informaram que os policiais não estiveram na sede do Executivo. O mesmo foi repassado pela Prefeitura de Aurora.

A reportagem tentou contato com o Gaeco para saber quantas pessoas foram presas ao total após o final da Operação Curupira, no entanto o Grupo não se manifestou sobre o resultado informando apenas que não repassaria outras informações para não atrapalhar as investigações.