Por: diario | 1 mês atrás

Um dos maiores desafios que o homem enfrenta é vencer a amargura que há no sue coração. Desde muito tempo, temos nutrido um sentimento interior de rejeição, de desvalor, de injustiça. Todos nós recebemos afrontas e ofensas. Diariamente precisamos enfrentar situações em que somos prejudicados ou nos sentimos injustiçados. E no decorrer dos dias e dos anos, esses pequenos sentimentos se transformam em algo muito grande, que é a amargura. Se você não retira uma semente da terra, ela tende a crescer cada vez mais. Assim acontece com o perdão retido. A mágoa é uma pequena semente que nós enterramos no solo do nosso coração. Isso significa que quando nos sentimos magoados, nós apenas esquecemos dela, ou seja, deixamos que o tempo venha tratar desse ressentimento. Quando enterramos uma semente no solo, não a vemos mais. Esse é um engano fatal: enterrar a mágoa no solo do coração e pensar que ela desapareceu para sempre.Um dos maiores desafios que o homem enfrenta é vencer a amargura que há no sue coração. Desde muito tempo, temos nutrido um sentimento interior de rejeição, de desvalor, de injustiça. Todos nós recebemos afrontas e ofensas. Diariamente precisamos enfrentar situações em que somos prejudicados ou nos sentimos injustiçados. E no decorrer dos dias e dos anos, esses pequenos sentimentos se transformam em algo muito grande, que é a amargura. Se você não retira uma semente da terra, ela tende a crescer cada vez mais. Assim acontece com o perdão retido. A mágoa é uma pequena semente que nós enterramos no solo do nosso coração. Isso significa que quando nos sentimos magoados, nós apenas esquecemos dela, ou seja, deixamos que o tempo venha tratar desse ressentimento. Quando enterramos uma semente no solo, não a vemos mais. Esse é um engano fatal: enterrar a mágoa no solo do coração e pensar que ela desapareceu para sempre. Mas, no decorrer dos dias, aquela pequena semente se torna em uma planta, que se tornará em uma grande árvore. É isso o que acontece quando a semente da mágoa é semeada no seu coração e você nada faz com ela, apenas enterrando-a no solo. Pensamos que quando esquecemos da mágoa, ela desapareceu. Mas isso não é verdade. Estamos iludidos de que o tempo já tratou de muitas sementes de ressentimento, mas saiba que todas elas ou estão escondidas no solo, ou já cresceram e se tornaram árvores. Por isso, se você olhar para o seu passado, verá uma grande quantidade de mágoas que nunca foram tratadas, mas só foram esquecidas e enterradas no seu coração. Por isso, precisamos nos voltar para a Palavra de Deus para descobrirmos algo nela que nos auxilie a como retirar do nosso coração todas as raízes de amargura que temos cultivado por anos seguidos. Em

Provérbios capítulo 19, versículo 11 está escrito: “A descrição do homem o torna longânimo, e sua glória é perdoar as injúrias”. O conselho bíblico para salvar o nosso íntimo das mágoas e ressentimentos é o perdão. A glória do homem está em perdoar seus ofensores. Mas, infelizmente, nunca praticamos essa verdade. Não queremos perdoar porque achamos que a pessoa que nos feriu ficará impune. Então, o que fazemos é nos amargurar e cortar o nosso relacionamento com ela, porque essa será a disciplina que nós mesmos aplicaremos na pessoa que nos ofendeu. Isso é tomar o lugar de

Deus, porque somente o Senhor tem autoridade para disciplinar alguém. Mas não cremos que Deus fará a justiça. Então leia outra passagem que está em Provérbios capítulo 20 versículo 22, que diz: “Não digas: vingar-me-ei do mal; espera pelo Senhor e Ele te livrará”. Então, não se vingue do mal, não tente disciplinar as pessoas, cortando relacionamento com elas ou tratando-as friamente. Sua atitude nunca levará ninguém ao arrependimento.

Espere em Deus que Ele te livrará. Perdoe, porque essa é a sua glória! Nossa vingança não mudará ninguém, mas ela só destrói relacionamentos e famílias. Só o perdão pode restaurar aquilo que a amargura já destruiu em nós.

Igreja do Senhor Jesus Cristo

Av. Governador Jorge Lacerda, nº 380 – Bairro Budag Rio do Sul

(47) 98810-4000 / Email: [email protected]