Por: diario | 01/11/2019

 

Jorge Matias

 

Em Santa Catarina cerca de 4,3 milhões de trabalhadores poderão sacar valores das contas ativas e inativas o Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS), antes do fim do ano. Cada trabalhador tem a possibilidade de retirar até R$ 500 da conta dos empregos anteriores e do atual, o que tem trazido otimismo a aos comerciantes e movimento da economia em todas as cidades. No entanto, apesar da expectativa em relação aos valores, que pode representar uma injeção de até R$ 1,8 bilhões no estado, uma pesquisa realizada pela Fecomércio SC aponta para um resultado instável.

 

Apesar dos saques, para o presidente do Sindicato do Comércio Varejista de Rio do Sul, Vilson Valmor Schwinden, o número de inadimplentes não diminuiu como era esperado. “Notamos um aumento rápido relacionado às compras, sobretudo agora no final do ano, porém o número de devedores não diminuiu como esperávamos e as compras parceladas também aumentaram”, afirmou.
Mesmo no atual momento de instabilidade, há quem utilize o dinheiro do FGTS para quitar algumas dívidas e investir em algo.

 

O designer gráfico, Eduardo João Ignácio, de 23 anos, disse que vai utilizar o dinheiro do fundo de garantia para realizar reparos na lataria do carro. “Na medida que foi liberado, eu me programei para fazer a manutenção do meu carro, se fosse liberado mais eu teria outros planos pra esse dinheiro” comentou.

 

Já a vendedora Marciane Saitz, de 35 anos, disse que não irá utilizar o dinheiro do FGTS. “Se pudesse sacar todo o montante da minha conta, eu iria quitar as prestações do carro, mas como foi liberado apenas R$ 500, vou deixar na conta”, afirmou.

 

Alta na inadimplência

 

Relatório de crédito da Federação das Associações Empresarias de Santa Catarina (Facisc) aponta alta de 0,4% na inadimplência em Santa Catarina no mês de setembro comparado ao mês anterior, agosto. Os dados são da Boa Vista SCPC/Facisc.

 

Segundo o levantamento, esta é a maior alta para o mês nos últimos cinco anos no Estado. Esse foi mais um resultado negativo, isso porque nos últimos 12 meses a alta acumulada da inadimplência ficou em 6,4% no Estado, a maior do Brasil, seguida por Pernambuco, com 3,4%. A média brasileira no período teve um recuo de 3%, o que indica que a maioria está saindo do vermelho.

 

Os resultados negativos mostram que o consumidor ainda enfrenta dificuldades para equilibrar suas contas. A expectativa é de que muitos saiam dessa situação negativa ao receber R$ 500 do FGTS.