Por: diario | 23/06/2017

O projeto de reurbanização da Estrada Blumenau é a prioridade do prefeito de Rio do Sul, José Thomé, para inclusão no Fundo de Apoio aos Municípios (Fundam). O recurso que será destinado pelo governo do Estado a fundo perdido deve proporcionar obras de infraestrutura para todas as 295 cidades catarinenses, como anunciou o governador Raimundo Colombo nesta quinta-feira em reunião com prefeitos da região da Amavi no Parque Universitário Unidavi em Rio do Sul.

Colombo destacou ainda que os recursos devem ser liberados ainda neste ano, com atenção especial para aquelas cidades onde foi decretada situação de emergência devido às cheias no início do mês de junho.

A lei estadual que criou a segunda etapa do Fundam foi aprovada ontem na Assembleia Legislativa. Agora, o governo direciona esforços para buscar os recursos prometidos pelo BNDES para custeio de obras. Uma reunião está marcada para esta sexta-feira (23) em Brasília, para possível definição deste repasse que o Estado prevê ser de R$ 700 milhões.

“Com isso, vamos conseguir dividir recursos entre todas as cidades catarinenses que terão autonomia na escolha de seus projetos. E os municípios devem ter agilidade na entrega dos projetos pois queremos liberar estes recursos ainda no segundo semestre deste ano”, salientou Colombo.

Leia mais sobre a aprovação do Fundam 2 no Alto Vale

O prefeito José Thomé está confiante de que o projeto da Estrada Blumenau fique pronto logo, para que na medida que o Estado já tenha o recurso, Rio do Sul pule na frente e possa licitar e iniciar as obras. A via tem em torno de quatro quilômetros de extensão e é a principal ligação do centro com os bairros Taboão, Bremer e Bela Aliança, além de ser acesso ao município de Lontras sem ter que utilizar a BR 470. O levantamento topográfico está pronto e agora está sendo desenvolvido o projeto de sondagem do terreno e de engenharia.

“É uma das obras mais importantes a serem feitas e todo recurso destinado será importante. Avaliamos que o projeto total possa chegar aos R$ 16 milhões, mas qualquer recurso vindo do governo do Estado será muito importante no momento inicial”, garante o prefeito Thomé. A prefeitura busca ainda outras formas de custeio do complemento da obra, já que não se sabe ainda quanto será liberado para Rio do Sul. A origem pode ser através de financiamentos como do BID ou emendas parlamentares.

Fonte: Departamento de Comunicação