Por: diario | 14/03/2018

A safra brasileira de grãos está sendo positiva e caminha em busca de um novo recorde, não de volume, como em 2017, mas de faturamento. A safra ainda em andamento, deve ser a segunda maior da história, com 226,04 milhões de toneladas. Isso representa queda de 4,9% em relação ao ciclo anterior. Mas a expectativa é que a receita com grãos cresça quase 5% em 2018, segundo cálculos de analistas ouvidos pelo Broadcast.

Os elementos que explicam esse faturamento maior, é a forte demanda da China por produtos agropecuários, câmbio que favorece as exportações. Outra característica a ser levada em consideração é a forte estiagem que a Argentina enfrenta, o que faz o país reduzir a colheita de soja e milho durante o ano. E esse cenário vai elevar o preço dos produtos agrícolas globais.

A queda na safra da Argentina é a principal variável a puxar para cima os preços de soja e milho”, diz o sócio e consultor da MB Agro Alexandre Mendonça de Barros. A consultoria projeta para os principais grãos, soja, milho, trigo, algodão, feijão e arroz – um faturamento de R$ 177 bilhões para este ano, ante R$ 169 bilhões em 2017. Isso pode levar o Brasil a ampliar os embarques da oleaginosa para o país asiático – já que os três grandes fornecedores mundiais são EUA, Brasil e Argentina.

Mesmo sem o fator “retaliação”, a expectativa é de que a receita com a oleaginosa avance mais que a dos outros grãos. O assessor técnico da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), Alan Malinski, diz que a receita deve ser maior, principalmente para os agricultores que optaram por comercializar o produto após a colheita, já que as cotações da oleaginosa estão subindo. Segundo dados da consultoria INTL FCStone, até o início de março, cerca de 40% da safra de soja havia sido comercializada antecipadamente, restando assim, 60% para serem negociados sob as cotações atuais, que estão mais altas.

Principal produto na pauta da exportação brasileira, a soja tem a produção estimada em 113 milhões de toneladas pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) – queda de 1% em relação à última safra. A cotação, no entanto, está em alta. Na semana passada, a saca estava cotada a R$ 74,35, segundo o Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea)/Esalq – um aumento real de 8% em relação ao mesmo período do ano passado.

A consultoria Tendências já revisou os preços para cima. A previsão é de que o preço médio da soja suba 6,1% na comparação com o ano passado e o do milho, 19%.

Segundo ele, os produtores brasileiros vão ganhar com a conversão de um dólar que, em razão das incertezas trazidas pelas eleições, deve alcançar R$ 3,40 até dezembro, saindo de uma cotação que, até um ano atrás, estava em R$ 3,10.

Entre os principais integrantes da cesta básica do consumidor brasileiro, o feijão se mantém com preços menores do que os do ano passado, até o momento, mas duas safras ainda estão por vir ao longo de 2018. Caso o cenário positivo para os valores do milho se confirme, agricultores que cultivam feijão podem migrar para o cereal de segunda safra em busca de melhores rendimentos financeiros, o que elevaria o preço médio do feijão.

Receba primeiro as notícias do Jornal Diário do Alto Vale, faça parte do grupo de whatsapp. Clique aqui