Por: diario | 03/08/2018

O PSOL e o PCB de Santa Catarina, realizam neste sábado (4), a convenção conjunta, que vai confirmar as candidaturas de Leonel Camasão (PSOL) ao Governo do Estado e Caroline Bellaguarda (PCB) para compor a chapa como vice-governadora.

A convenção vai ocorrer a partir das 14h30min, no auditório do IFSC, em Florianópolis, e também serão confirmados os candidatos ao Senado Pedro Cabral Filho e Antônio Valmor Campos, e as cerca de 40 candidaturas a deputados federais e estaduais pela coligação para as eleições de 2018.

Para Camasão, que é formado em jornalismo, o desafio do PSOL nessas eleições é mostrar que é possível fazer diferente. “É possível um governo à esquerda, que distribua renda, ataque os privilégios e promova a igualdade. Por isso, aceitei o desafio de ser candidato a governador”, afirma. “É hora de ousarmos mais, de denunciarmos os que sempre governaram Santa Catarina para o 1% mais rico. É hora de governar para os 99% dos catarinenses”.

 

Quer receber as notícias no Whatsapp? Clique aqui

 

“O objetivo da proposta é reorganizar a esquerda em Santa Catarina e ampliar nossa capilaridade, os espaços onde a gente alcança a mulher que está no campo, na cidade, tentar mostrar que há possibilidades dessa mulher se organizar”, acrescentou Bellaguarda, que é educadora social.

Além disso, a dupla defende outros pontos como a revisão profunda das isenções fiscais no Estado. “O Estado deixa de cobrar impostos de grandes empresas na ordem de quase R$ 6 bilhões, e esse valor é maior do que se investe em saúde ou educação, e ninguém conhece essa lista. Nós entendemos que as isenções podem ocorrer em determinados casos. Por exemplo com medicamentos para câncer, ou para estímulo de algum setor, para agricultura familiar, educação pública, enfim, algo que tenha uma contrapartida social não apenas econômica”, disse o pré-candidato.

Ainda no ponto de vista de gestão, outro aspecto é a extinção total das Agências de Desenvolvimento Regionais (ADRs). “A gente entende que são estruturas ineficientes, que não tem servidores de carreira e que não é prestado um serviço específico na região. Foram construídas sob a desculpa da descentralização, mas para se ter um tratamento de saúde tem que pegar o carro da saúde e ir a Florianópolis. Ou até mesmo na educação, onde o atual Governo fechou 58 escolas. É uma descentralização só para abarcar os mais de 20 partidos que participaram desse Governo”, atacou Camasão.

Outros aspectos bastante defendidos pela dupla, é o apoio e incentivo à cultura social, à classe trabalhadora, aos direitos das mulheres e o fim do preconceito de classe, gênero sexual e cor.

Coligação PSOL e PCB

De acordo com Camasão e Bellaguarda, a chapa está consolidada desde março, e desde então, o projeto está sendo construído em conjunto. “Do nosso ponto de vista já está decidido, a chapa já está fechada. Não temos muitas disputas internas o que traz uma unidade de fortalecimento e reafirma nossas perspectivas para a campanha, da divulgação do nosso projeto, dos temas relacionados a economia, desenvolvimento do que é público, das necessidades básicas. Temos a convenção como um espaço mais para formalizar o que já está certo”, completou a pré-candidata a vice-governadora.

Expectativa para as eleições

De acordo com o pré-candidato, hoje o Brasil enfrenta uma crise política e descrédito com a política em geral, e que “não é preciso ter nome ou sobrenome político para governar o Estado, nem de um grande empresário ou de um filho de um político tradicional. Se isso continuar, a democracia se torna quase uma monarquia. A nossa perspectiva é dizer que é possível que o cidadão comum pode sim governar o Estado”, finalizou Camasão.

Bellaguarda disse que o movimento está acontecendo em período eleitoral, mas o projeto do PSOL e PCB não está em torno desse momento. “É o inverso: o momento eleitoral faz parte do nosso projeto. É um projeto que passa pelas eleições, mas continua após elas. É um projeto de organização de uma outra sociedade que precisa deste suporte dos movimentos sociais, da sociedade civil organizada, da intelectualidade crítica e que busque um novo projeto para nosso país e estado”, finalizou a pré-candidata.

Elisiane Maciel