Por: diario | 14/01/2019

A safra ainda não terminou, mas a colheita já chega à reta final. Enquanto os produtores do Alto Vale começam a estocar cebola para vender ao mercado, os agricultores da região de Ituporanga também lamentam prejuízos. Isso porque a incidência de doenças como míldio e mofo preto, a presença de pragas e o mau tempo durante parte do ciclo foram percalços durante a produção. Com o que já foi colhido, a estimativa da Associação dos Produtores de Cebola de Santa Catarina (Aprocesc) é de que até 25% da safra tenha sido comprometida na região. No Estado, a estimativa é de que esse índice chegue a 20%.

As perdas mais significativas foram registradas principalmente nas variedades precoces da cebola. Os municípios mais atingidos foram Ituporanga, Imbuia e Atalanta, que sofreram ataque de uma doença chamada “yellow spot virus”, identificada pela primeira vez no Alto Vale na safra 2017/2018. Outros relatos de produtores indicam que o excesso de chuvas na produção de mudas, outono e inverno mais quentes, além de uma primavera de estiagem afetaram a região, que é a principal produtora no Estado.

Quer receber as notícias no Whatsapp? Clique aqui

Caso de Ituporanga, município que alavanca a produção em SC, onde o objetivo dos produtores era colher 120 mil toneladas de cebola. Com o fim da colheita, esse número não deve passar de 90 mil toneladas (perda de 25%). No início do ciclo, o problema foram as doenças. Já na metade, justamente no momento crucial para a bulbificação (quando há a formação do legume em si), o município teve o problema de estiagem e de alguns dias com pouco sol. Foram pelo menos 40 dias, de acordo com Volmir Borssatto, engenheiro agrônomo do município, com baixa iluminação na lavoura, o que também comprometeu. Com isso, por conta do aumento do custo para o produtor, o preço do quilo vendido pelos agricultores aos mercados está em R$ 1,70, quando poderia ficar na casa de R$ 1. Isso impacta diretamente no bolso do consumidor, que pode chegar a encontrar o produto até 70% mais caro nos mercados.

Responsável por quase um quarto da produção em SC – que chegou a 411,4 mil toneladas em 2017, de acordo com dados do IBGE –, Ituporanga dita o ritmo do que será a safra deste ano, que termina em março. O mesmo problema também se estendeu para outros pilares da produção no Estado, caso de Aurora.

Jelson Gesser presidente associação de produtores(Foto: Léo Laps, especial)

Na pequena cidade de 5,7 mil habitantes do Alto Vale, além das pragas e doenças, pelo menos dois temporais comprometeram parte da lavoura. E não foi só a chuva que atrapalhou. Dias de calor intenso também tiveram impacto na produtividade da cebola. Por lá, a expectativa era de colher 60 mil toneladas, mas o valor real não deve passar de 45 mil toneladas.

Quer receber as notícias no Whatsapp? Clique aqui

– Fica a sensação de que poderia ter sido melhor. O custo para nós, produtores, aumentou muito por conta das doenças. Algumas lavouras tiveram que dobrar a aplicação de agrotóxico. Somado isso ao fato de que algumas plantas não responderam bem à condição do tempo, fez com que algumas lavouras ficassem aquém – aponta Jelson Gesser, agricultor e presidente da Aprocesc.

O agricultor Dionísio Werneke planta cebola há 35 anos em Aurora. Além de cultivar, ele também compra e revende cebola de outros produtores da região. Ele sofreu a perda de 70% no valor final da safra.

– Em 35 anos trabalhando na terra, nunca tive uma perda assim. Notei que a plantação tinha sido contaminada em novembro. As cebolas não cresceram o suficiente, agora o jeito é vender elas pela metade do preço – conta Werneke.

Hoje, 90% da colheita de cebola já foi feita no Alto Vale, conforme informação da Câmara Setorial da Cebola de SC, órgão ligado à Epagri. Resta uma ou outra lavoura que optou pelo plantio tardio.

Dionísio Werneke é um dos produtores de cebola do Alto Vale(Foto: Léo Laps, especial)

Produção em SC deve ser de 350 mil toneladas

Na região Sul do Brasil, a estimativa do Ministério da Agricultura é de que a safra chegue à marca de 570 mil toneladas. Em Santa Catarina, esse número vai girar em torno de 350 mil toneladas – cerca de 62% do previsto para o três estados sulistas, porém 20% menos do que o estimado inicialmente, tal como ocorre no Alto Vale também. A tendência é de que a produção catarinense seja a principal responsável pelo abastecimento no Brasil nos quatro primeiros meses de 2019, mesmo com os problemas enfrentados nas lavouras.

Por Augusto Ittner
NSC Total

Maiores produtores de cebola no Brasil
Infogram