Por: diario | 04/10/2017

O presidente da Assembleia Legislativa de Santa Catarina (Alesc), Silvio Dreveck (PP), inicia na quinta-feira (5) um roteiro pela região do Alto Vale do Itajaí. Na agenda, reuniões com prefeitos, vereadores, lideranças e imprensa com o objetivo de ouvir as demandas locais e aproximar as atividades do Legislativo Estadual do interior catarinense. Dreveck fará um balanço das ações desenvolvidas na Alesc, além de comentar os projetos que devem ser deliberados até o fim do ano.

Na quinta-feira as reuniões serão realizadas em Ituporanga e Taió, reunindo lideranças de 14 municípios da região. A agenda de sexta-feira (6) contempla reuniões em Rio do Sul e Presidente Getúlio, com a presença de lideranças de 15 municípios.

Desde que assumiu a presidência da Alesc, o deputado Silvio Dreveck (PP) tem adotado um ritmo intenso de votações no plenário. Já no início do primeiro semestre, encerrou a “limpeza de pauta”, colocando em votação 88 vetos que aguardavam deliberação, alguns desde 2013. Isto possibilitou a votação de importantes Projetos de Lei, como os que viabilizam as Parcerias Público-Privadas e Concessões em SC, o Fundo de Apoio aos Municípios (Fundam), o crédito para o Fundo Estadual de Apoio aos Hospitais, Hemosc e Cepon e a extinção da Cohab e Codesc.

O presidente também tem colocado em prática uma série de medidas para economizar recursos e modernizar a estrutura administrativa do Parlamento estadual. É estimada uma economia de R$ 10 milhões ao final de 2017.

Entre elas, o parlamentar destaca a implantação do Ctisp, que altera o quadro de funcionários do corpo da guarda, substituindo policiais da ativa que prestam serviço à Alesc por aposentados, com redução do subsídio pago pelo Legislativo aos policiais.

Outra ação é o convênio com o governo estadual para a restauração da Escola Antonieta de Barros, situada no Centro de Florianópolis e fechada há 9 anos. Após a restauração, o imóvel vai ser sede da Escola do Legislativo Deputado Lício Mauro da Silveira. Com isso, a Alesc deixará de pagar aluguel pela atual sede da escola.

Medidas, como o corte de gratificações por acúmulo de função e o aumento na jornada de trabalho de parte dos servidores da Casa, também foram realizadas. Na prática, o presidente ressalta que as mudanças estruturais previstas vão possibilitar o alcance da economia esperada, que também virá, conforme Dreveck, de ações como a revisão de contratos de fornecedores de alguns serviços, bem como os aluguéis pago pela Assembleia, uma vez que, algumas estruturas, como a parte administrativa da Casa, funcionam em imóveis alugados.