Por: diario | 29/09/2018

O voto é uma das decisões mais difíceis e importantes da população para exercer a cidadania, mas muitos eleitores acabam em dúvida na hora de escolher seus representantes, principalmente para deputado estadual e federal, cargos que oferecem o maior número de opções. Mas no Alto Vale, muitos partidos tem apostado nas dobradinhas regionais para conquistar a confiança dos eleitores.

É o caso do Partido Progressista, que lançou os candidatos a deputado estadual Francisco Goetten de Lima, o Chico e a deputado federal Nilson Francisco Stainsack. A dupla tem percorrido o Alto Vale e feito campanha de forma integrada e garante que vai continuar trabalhando unida caso seja eleita.

Nilson afirma que caso os eleitores optem por partidos que ofereçam candidatos da região toda a população será beneficiada. “Os deputados tem influência política para trazer os recursos para a sua região e quanto mais representatividade, mais força teremos, isso independente de partido. E teremos que juntos buscar aquilo que o Alto Vale precisa, claro que eu vou buscar recursos de Brasília e o Chico do Estado, mas quando a questão, precisa do apoio dos dois estaremos juntos”.

Chico ressalta a importância de escolher candidatos que efetivamente vão lutar pela região e também da importância da dobradinha.  “Nossa região tem força para eleger três deputados estaduais e um federal, e desde o início da minha campanha eu coloquei a bandeira do nosso Alto Vale em primeiro lugar, justamente por isso, porque precisamos de representatividade política na nossa região e a nossa dobradinha é essencial para isso, pois mostra a força tanto na Câmara Federal, quanto na Assembleia Legislativa”.

Outro partido que oferece candidatos com base eleitoral no Alto Vale é o MDB, que tem Jerry Comper concorrendo a uma vaga na Assembleia Legislativa e Rogério Mendonça, o Peninha a Câmara dos Deputados.   Peninha destaca que a dobradinha regional da sigla começou há quase 50 anos e sempre tem trazido benefícios para a população. “Começou na década de 70 com José Thomé e Lauro André da Silva, depois vieram João Matos e Peninha. A partir de 2010, formei dobradinha com o deputado Aldo Schneider, mas infelizmente o câncer tomou Aldo de nós, e agora o Jerry do Aldo é quem vai ter a responsabilidade. Ter um deputado federal e um deputado estadual da mesma região, trabalhando em sincronia, faz com que os esforços sejam otimizados, por isso é tão importante votar em candidatos da nossa terra, independentemente da sigla partidária. Há candidatos de vários partidos e ideologias. Votar em candidatos de fora é um crime que se faz contra o Alto Vale”.

O PSB apresentou nas eleições de 2018 a dobradinha regional com Leonardo Secchi para deputado estadual e Angelo Cattoni para federal e também falou da importância do apoio com candidaturas da mesma sigla partidária e região “O meu partido PSB lançou candidato a deputado estadual e a deputado federal, ambos do Alto Vale. Acredito que a região precisa ter representação ampliada e, melhor ainda, quando deputado estadual e deputado federal trabalham alinhados na mesma sigla partidária”, destacou Secchi.

O PSL apostou em Valdemar Ignaczuk para estadual e Carlos Felipe para federal.   “É muito importante termos representatividade de candidatos do Alto Vale, pois os candidatos saberão dos problemas locais e alguns dos principais problemas são relacionados às enchentes e a duplicação da BR-470. Nós que vivemos esse tipo de problema temos a obrigação de ajudar a resolver, até me surpreende muito com tantos anos não ter sido resolvido até hoje” comentou Carlos Felipe.

O PR lançou Maria Helena Zimmermann, a Kika, para deputada estadual e Jorge Goetten para federal e na opinião da candidata a parceria de candidatos da mesma sigla e da mesma região é fundamental. “Há uma necessidade muito grande de ter alguém brigando pela nossa BR-470 e o projeto das nossas cheias, sem promessa, mas com comprometimento, com pessoas que entendem da necessidade, que sabem que estarão brigando por algo que podem falar com clareza, dados e com verdades. É importante um representante tanto na esfera estadual como federal de pessoas que sabem da necessidade que nosso povo enfrenta”.

O outro lado

Outros partidos que têm candidatos a deputados estaduais e federais que são do Alto Vale e também de outras regiões, ressaltam que isso não impede que os políticos façam um bom trabalho. Essa é a opinião do ex-secretário da Agência de Desenvolvimento Regional de Taió, Jardel Fronza, que trabalha em prol da candidatura de Milton Hobus (PSD). “Vivemos em uma democracia, onde as pessoas têm o poder de ouvir e escolher diversos candidatos de diversos partidos, e diversas regiões diferentes. Temos no Alto Vale, por exemplo, bons nomes que vão representar muito bem nossa região se assim eleitos. Existe também o voto casado de deputado federal e deputado estadual, onde acontece muitas vezes de um estadual ser de uma região, e o federal de outra, ou vice e versa, principalmente os candidatos que disputam a vaga federal buscam votos fora do seu colégio eleitoral, por que necessita uma expressiva votação, muitas vezes votos que nem a própria região tem para o eleger. Na minha opinião não importa se o candidato reside no Alto Vale, desde que ele tenha comprometimento com os votos que aqui levar, e possa pagar isso com bom trabalham”.

A reportagem do Diário do Alto Vale também procurou candidatos de outras siglas para comentar o assunto, mas eles não foram encontrados ou preferiram não se manifestar sobre o assunto.

Campanha Eu Voto Alto Vale

Pensando justamente na representatividade política, a Associação Empresarial de Rio do Sul (Acirs), em parceria com outras entidades lançou há alguns dias a campanha Eu voto Alto Vale, que visa alertar que as mudanças que a região precisa, dependem da atitude de cada um dos 216 mil eleitores dos 28 municípios.

O presidente da Acirs, Amandio João da Silva Júnior, destaca que a entidade resolveu lançar a campanha por perceber que os investimentos na região são cada vez menores. “A situação que nos encontramos é catastrófica, a economia do Alto Vale como um todo só decresce a cada ano, muito em razão da falta da infraestrutura, seja da BR-470 ou a questão das cheias, e não temos praticamente representatividade política nenhuma para uma região de 320 mil habitantes que tem um potencial econômico grande e está no centro de Santa Catarina”.

Hoje a região conta atualmente com apenas um deputado estadual e um federal com base eleitoral no Alto Vale e nas últimas eleições mais de 50% dos votos foram destinados para candidatos de fora, o que segundo ele, acaba refletindo diretamente nas demandas da região que acabam sendo esquecidas. “Os candidatos que são dos outros lugares vem aqui três meses antes da eleição, pegam um vereador de uma cidade e um prefeito de outra, mandam uma “verbinha” e as pessoas se amarram, mas isso faz muito mal”.

Através da campanha a Acirs busca mobilizar e conscientizar a população de que a melhor opção é escolher candidatos que sejam do Alto Vale. Outro ponto é mostrar que os votos brancos e nulos acabam beneficiando outras regiões. “Temos que aumentar nossa representatividade lá e fazer com que a força política, tanto em Florianópolis quanto em Brasília, seja voltada para as nossas demandas”.

Helena Marquardt

Tatiana Hoeltgebaum