Por: diario | 30/06/2015

Helena Marquardt

A Pamplona Alimentos inaugurou no sábado, com a presença do governador Raimundo Colombo e do presidente da Federação das Indústrias do Estado de Santa Catarina (Fiesc), Glauco José Côrte, uma nova fábrica em Rio do Sul. O novo espaço, que tem 8.500m² será destinado à produção de embutidos como presuntos, salames e copas. Com o investimento de R$ 70 milhões a companhia pretende faturar mais de R$ 1,1 bilhão até o final do ano.

A obra foi executada com recursos próprios (16%) e financiados do BNDES (58%) e banco Itaú (26%) e inclui a compra de equipamentos nacionais e importados de países como Itália, Espanha e Alemanha. Os trabalhos iniciaram em abril e foram concluídos na semana passada. Além da nova fábrica a empresa também iniciou em junho as obras de um novo túnel de congelamento que deve ser concluído em novembro.

Segundo a presidente, Irani Pamplona Peters, para todos é uma alegria muito grande poder estar inaugurando a nova fábrica que antes era um sonho e que agora é realidade. “Já fizemos muitos investimentos ao longo dos anos, mas este foi o maior realizado até hoje. Agora poderemos levar para os consumidores, produtos da Pamplona que já são muito bons, melhores ainda”, disse.

Ela explica que com a ampliação a empresa vai aumentar em 14 toneladas a capacidade de produção de produtos industrializados, e elevar a fabricação de 30% em 2014 para 45% dos produtos industrializados, gerando inicialmente 120 novos empregos. Este número ainda deverá ser ampliado para 194 até 2019. “Esses colaboradores já foram admitidos e agora já passam por treinamento. Quando atingirmos o todo do projeto, o restante já terá sido contratado”, disse.

Irani disse que o projeto foi pensado levando em consideração a preservação do meio ambiente com a intenção de diminuir o impacto. “A empresa no seu dia a dia, sempre preza muito pelo meio ambiente, pelo bem estar dos seus colaboradores e na nossa fábrica não é diferente”, falou.

“É na época de crise que a gente acha soluções”

Ao ser questionada sobre a crise na economia que tem atingido indústrias do estado e obrigado muitas empresas a reduzir o número de funcionários e até carga de trabalho, Irani comentou que este é justamente o momento de investir. “Em 2010 fizemos um planejamento estratégico, que é atualizado e todo o ano estamos seguindo aquilo que foi projetado. Nós acreditamos na população e em Santa Catarina e é nas épocas de crise que a gente acha soluções e é isso que estamos pensando”, ressaltou.

A presidente diz que ao contrário de outros setores, tem percebido que a indústria de carnes vem se desenvolvendo muito bem, principalmente no que diz respeito a exportações já que Santa Catarina é um estado livre de febre aftosa sem vacinação e já há previsão de exportações inclusive para o Japão.

Com a inauguração da nova fábrica a empresa também deve ampliar os centros de distribuição em todo o país que já existem em quase todos os estados do Brasil. “E como são produtos alimentícios também estamos abrindo mais centros e filiais, para que possamos escoar os produtos de forma mais rápida, estando mais perto do consumidor. Estamos preparando muito nossa área comercial e logística para esse aumento de demanda”, adiantou.