Por: diario | 02/08/2016

Albanir Júnior

A primeira feira voltada ao turismo no Alto Vale, Expotur, levou cerca de 1.500 pessoas até o Parque Universitário Unidavi na sexta-feira (29) e no sábado (30). Na programação, estavam a exposição de produtos e serviços voltados ao turismo e a apresentação de palestras com cases turísticos de sucesso. Para o presidente do Colegiado de Turismo da Amavi (Associação dos Municípios do Alto Vale do Itajaí), Marcos Bauermann Costa, a quantidade de visitantes garantiu um balanço positivo da primeira edição. “Um público de bastante qualidade principalmente nas palestras e na parte técnica da programação que foi feita pelos gestores de turismo dos municípios. Foi bem legal, teve bastante gente, o pessoal que expôs gostou e teve um saldo bem positivo financeiramente”, disse.

A feira também serviu para integrar os moradores locais com os agentes de turismo, já que muitas vezes a falta de informação do que é oferecido no Alto Vale, impede o crescimento do setor. “A gente viu dois públicos bem distintos da feira, primeiro as pessoas que moram na região e que às vezes acham que não tem nada ou quando vem turista elas dizem que não sabem ou que não tem nada mesmo, e segundo são as pessoas que trabalham com turismo para elas acreditarem também,” explicou.

Expositores da região também saíram satisfeitos com a realização do evento, como é o caso da Associação de Turismo Rural de Rio do Sul (Atur) que foi representada por quatro agentes de turismo. Entre os produtos que foram expostos estavam geléias, cachaça e artesanato. O agricultor Lauro Pereira da Costa, conta que o evento foi bom para divulgar os atrativos da região, ele saiu contente com o aumento da procura pela cachaça artesanal que ele fabrica em casa. “Lá na feira vendi cerca de 50 garrafas de cachaça, eu acho que não teve mais venda por falta de dinheiro, é uma época muito ruim fim de mês, mas a feira estava muito boa, abriu mais negócio, hoje já teve gente atrás de cachaça porque viu na feira, então é sinal que funciona”, afirmou.

O agricultor que mora no bairro Bela Aliança, viu um público diferente observar os produtos da Atur, o que aumenta a possibilidade de novos negócios. “São pessoas desconhecidas, é um público diferente, envolveu público de fora, se tiver de novo pretendo ir sim”.

Nesta semana o Colegiado de Turismo da Amavi vai se reunir para avaliar a feira. Os organizadores do evento também irão debater a periodicidade da Expotur, para definir a segunda edição. “A comissão está estudando se a feira será anual ou de dois em dois anos, mas a princípio todo mundo quer expor todo ano, a feira foi muito legal e a gente sabe que tem potencial, essa parte de turismo tem muito a crescer na nossa região,” revelou o Presidente do Colegiado de Turismo.

Caminhos do Alto Vale

Um dos principais objetivos da Expotur era divulgar a nova marca Caminhos do Alto Vale, que é composta por 22 municípios e foi criada para fortalecer as opções do turismo regional, nos cenários estadual e nacional. Bauermann considera que o setor é como qualquer outro negócio em que é preciso investimento, trabalho e profissionalização de mão de obra, para se obter resultados. “A gente tem tudo, parte geográfica, principalmente as pessoas, a gente tem pessoas que recebem muito bem aqui”, explicou.

O principal desafio agora é criar roteiros atrativos para que as opções possam atrair turistas, o Colegiado de Turismo da Amavi acredita ter dado um passo à frente, já que a regionalização do setor é feita pelo Ministério do Turismo. A Secretaria de Estado do Turismo também tem sinalizado em fortalecer as regiões turísticas. “Em breve a gente acredita que vai ter que estar pertencendo para alguma região turística para receber dinheiro para o turismo, a gente não sabe, mas em cinco ou 10 anos para você captar dinheiro vai ter que estar inserido em uma região turística”, estimou.