Por: diario | 23/03/2017

Os quatro vereadores de Rio do Sul que compõem a bancada de oposição fizeram um pedido de informação ao Executivo nesta semana, para saber sobre a pesquisa contratada pelo Governo para medir o alcance que os veículos de comunicação têm entre a população rio-sulense.

O pedido de informação, segundo a vereadora Zeli da Silva (PMDB), foi protocolado na terça-feira (21). “A gente acabou tomando a iniciativa depois que a gente viu a reportagem, que o Governo fez a pesquisa, que segundo seria, para saber aonde investir mais na questão do Marketing e não foi feito o processo licitatório. A gente sabe que acima de R$ 8 mil, tem que ser feito o processo de licitação”, declarou.

A informação divulgada com exclusividade na semana passada pelo Jornal Diário do Alto Vale repercutiu nos bastidores da política local, pelas informações a que a reportagem teve acesso, o serviço que foi prestado no mês de janeiro foi contratado por R$ 9 mil, que foram pagos com o dinheiro público, sem a realização de um edital de licitação. “O Governo diz que não é ilegal, então a gente fez o pedido de informação, para que eles expliquem, porque se contratou uma empresa direta e não passou pelo processo legal que seria a licitação”, disse a vereadora.

A empresa foi contratada por meio da agência de publicidade que tem contrato vigente com a Prefeitura. O instituto que fez a pesquisa foi a Conexão Alto Vale, que pertence a um dos sócios da Conecte Mídia, empresa citada na investigação do ‘Caixa 2’ que investiga a sonegação de recursos utilizados em campanha eleitoral.

A bancada de oposição é formada ainda pelos vereadores Cariso Giacomini (PMDB), Fernando César Souza (PMDB) e Mário Sérgio Stramosk (PR). O Executivo tem um prazo de 15 dias para entregar as informações solicitadas por eles. O prazo passou a contar a partir da data em que o pedido foi protocolado.

Os vereadores não descartam fazer pedidos dos trâmites da negociação para a agência que fez a contratação do serviço a pedido da Prefeitura. “Nós vamos esperar primeiro as informações requeridas através do pedido, se caso a gente não ficar satisfeito com as informações que vierem, a gente vai acabar pedindo para a agência também”, afirmou.

A metodologia da pesquisa, a quantidade de pessoas ouvidas e os bairros visitados, são informações mantidas em sigilo. Essas são informações que somente algumas pessoas da equipe de governo tiveram acesso. O resultado que é mantido em sigilo, tem sido utilizado para os investimentos no plano de mídia, das ações institucionais do Governo. “A gente tem feito pedidos de informação exatamente para que fique às claras o que está acontecendo. Mais do que isso, que a gente cumpra com o nosso papel de fiscalizador e a população fique informada”, concluiu Zeli.

Albanir Júnior