Por: diario | 11/05/2017

Suellen Venturni

Os buracos e restos de obras já fazem parte do cotidiano dos moradores do bairro Beira Rio, em Salete. Após alguns entraves na execução, a obra de drenagem e pavimentação que seguia em passos lentos parou e não tem data para recomeçar. “Esse caso é antigo, pois já faz mais de um ano que este trabalho foi iniciado e até o momento não foi finalizado”, disse o presidente da Câmara de Vereadores de Salete, Márcio Hellmann. Esta semana a Câmara cobrou da Prefeitura uma resposta para a comunidade. “Todos os dias nós somos questionados sobre essa obra e não temos respostas, então estamos pedindo que a Prefeitura se reúna com os moradores e explique a situação”, contou Hellmann.

A Secretaria de Obras do Município explicou que a obra faz parte do Programa de Aceleração de Crescimento (Pac) de 2012. De início, a obra foi planejada com uma licitação, dividida em cinco módulos que somam o investimento total de mais de R$ 2.5 milhões. Na época, uma empresa de Florianópolis ganhou a licitação, mas desistiu do contrato após completar apenas 1% da obra.

No fim de 2015, a obra foi licitada novamente e desta vez dividida em cinco contratos, vencidos por três empresas. A etapa de drenagem e pavimentação seria feita pela empreiteira Soberana Serviços e Construções LTDA, de Blumenau. A obra começou no ano passado e deveria ter sido entregue em março deste ano, mas depois de seguir em passos lentos a obra parou e a empreiteira, de acordo com a Prefeitura de Salete, pediu R$ 200 mil de aditivo de contratação. “Os técnicos da Prefeitura avaliaram e de direito a empresa tinha R$ 30 mil de aditivo. Eles foram convocados para seguir com a obra, mas não compareceram”, explicou o secretário de Obras, João Knies.

No dia em que o prazo de conclusão da obra expirou, os vereadores Márcio Hellmann, Aldo Kuhnen, Laureci Fischer e Pergentino Manarim (PMDB), juntamente com a vereadora Neiva Venturi Zonta (PT), apresentaram um requerimento enviado ao chefe do Executivo municipal solicitando informações sobre como se encontravam as obra, seu encaminhamento, projeção de conclusão e demais pertinentes, tendo como justificativa, viabilizar condições de prestar informações aos moradores do bairro e demais munícipes interessados.

A vereadora Neiva também comentou a atual situação dos serviços no local “Tenho acompanhado que, em outros municípios da nossa região, os vereadores estão presentes em importantes reuniões junto com o Poder Executivo, o que não tem acontecido em Salete, já que, desde o início desta administração, tivemos apenas uma reunião com a prefeita Solange Schlichting (PR). Entendo que a Prefeitura deve dar, ao mínimo, uma explicação à população, para que saibam como está o andamento e a previsão de conclusão desta importante obra”, disse a vereadora.

O Município irá rescindir o contrato e lançar novamente uma licitação para que a obra seja concluída. De acordo com Knies, 90% da drenagem fluvial está feita, falta o acabamento e as outras etapas da obra. Ele frisou que a Prefeitura está fazendo o possível para solucionar a questão o mais rápido possível. “Estamos cientes das dificuldades dos moradores. Patrolamos pedras na rua e fizemos o acesso a moradias, dando o suporte no que a Prefeitura pode fazer, já que não podemos assumir uma obra licitada”, comentou o secretário.

Ele ainda ressaltou que assim que a rescisão do contrato foi assinada acontecerá uma reunião com a comunidade. “Estamos fazendo o possível para que tudo seja resolvido rápido. Assim que a gente tiver um novo contrato, que acredito que não deve demorar, vamos fazer uma reunião com as pessoas, para deixar eles cientes da situação e do cronograma”. Por enquanto, a obra segue sem previsão de fim já que só após a rescisão do contrato a Prefeitura deve protocolar a nova licitação.


Ação promove a conscientização ambiental em escolas municipais

Economia é a ordem em Pouso Redondo

Governo de Santa Catarina confirma Fundam 2

IBGE abre 11 vagas em Rio do Sul para levantamento de dados