Por: diario | 13/11/2017

A sessão extraordinária para cumprimento da ordem judicial foi realizada na última sexta-feira (10) no plenário da Câmara de Vereadores de Aurora. O Presidente da Casa, Nilo Warmiling (PMDB) declarou extinto o mandato eletivo de Alfonso Maria Souza, o Fumo (PMDB) e assinou o decreto judicial.

O documento expedido pelo Juiz da Vara Criminal de Rio do Sul, Cláudio Márcio Areco Júnior na segunda-feira (6), determinava que o Presidente da Câmara comunicasse a extinção do mandato de Fumo, conforme Artigo 15 da Constituição. A medida foi tomada, após Fumo ser condenado pelo Tribunal de Justiça de Santa Catarina (TJSC) pela prática de crime previsto no artigo, 129, de lesão corporal.

Depois do comunicado feito pelo Presidente da Câmara, foi empossado já no gabinete da Prefeitura o então vice-prefeito e, agora Prefeito, Alexsandro Kohl “Xandão” (PMDB), funcionários, vereadores e até o Deputado Federal Rogério Peninha Mendonça (PMDB) estiveram presentes. O agora prefeito de Aurora, Xandão explicou que o trabalho continua o mesmo já que ele e Fumo sempre foram parceiros e faziam tudo juntos. “Nós sempre trabalhamos em conjunto e agora como chefe do Executivo irei continuar os trabalhos e não terá mudança”. Xandão também adiantou que depois de cumprir a pena de serviços comunitários e ter de volta seus direitos políticos, Fumo será convidado para trabalhar como chefe de gabinete. “Já adianto que quando tudo isso passar o Fumo com certeza virá trabalhar comigo e continuará o bom trabalho iniciado por ele”.

O ex-prefeito Fumo também participou da posse e bastante emocionado explicou que sai da Prefeitura de cabeça erguida e tendo consciência de tudo que fez nesses primeiros 10 meses do mandato, ele afirmou ainda que o município continuará em boas mãos e que tudo o que vem sendo feito não vai parar. “Não estamos fazendo aqui o meu afastamento e sim empossando o Xandão. Eu tenho certeza que vai fazer um grande mandato, um trabalho exemplar. E ele sabe que vai poder contar comigo para o que precisar”, explica.

Fumo afirmou ainda que se apresentará a justiça na segunda-feira (13) e que irá cumprir com a pena indicada na sentença. Ele deixou claro também que depois de ter seus diretos políticos reestabelecidos se for convidado irá trabalhar na Prefeitura. “Podem ter certeza que como sempre cumpri com os meus compromissos irei fazer com a pena destinada. E como fui eleito para prefeito posso muito bem ser convidado a vir trabalhar, quando tudo isso passar, aqui no restante do mandato. Com certeza virei de bom coração e continuar a fazer o que me comprometi com a população, ajudar o município de Aurora”, finalizou.

O que aconteceu

Fumo foi condenado em segunda instância pela segunda Câmara Criminal do Tribunal de Justiça de Santa Catarina, à pena de três meses de detenção, inicialmente no regime aberto, pela prática do crime previsto no artigo 129, de lesão corporal, e suspensão dos direitos políticos. O julgamento foi presidido pela desembargadora Salete Silva Sommariva.

O fato teria ocorrido no dia 6 de dezembro de 2014, no Centro Esportivo Deonas, na cidade de Ituporanga. Fumo teria ofendido a integridade física de Nicolau Kohn, ao arremessar um copo de vidro em seu rosto, causando lesões corporais, conforme o laudo pericial. Depois do acolhimento da denúncia, foram ouvidas quatro testemunhas, mas só uma confirmou que o copo partiu das mãos do prefeito.

No depoimento, Fumo negou ter arremessado o copo, disse que Nicolau o empurrou e que só revidou, também argumentou que Kohn não honrou uma dívida, oriunda do período que os dois disputaram a Prefeitura de Aurora.

Fumo se elegeu prefeito pela primeira vez em 2010, Nicolau era seu vice, mas os dois romperam a amizade durante a gestão.

Vanessa Montibeller