Por: diario | 15/03/2019

Uma audiência foi realizada em Rio do Sul na manhã desta quinta-feira (14), para obter maiores esclarecimentos e também pedir a flexibilização do horário do comércio na cidade. A audiência foi realizada através da Associação Empresarial de Rio do Sul (Acirs), e contou com a participação dos sindicatos Patronal, Sindicato dos Empregados de Rio do Sul e Sindicato do Comércio Varejista do Alto Vale do Itajaí (Sindicomércio). Agora, uma nova audiência deve ser realizada daqui há 20 dias, para dar sequência às negociações.

De acordo com o presidente da Acirs, Eduardo Schroeder, a ação feita solicita ao Ministério do Trabalho a liberação do livre horário do comércio pela Lei Municipal.

“Em Rio do Sul existe uma Lei Municipal que estabelece que o horário do comércio aqui na cidade, é livre. Mas, a convenção que o sindicato coloca, é a convenção do horário de funcionamento e é exatamente isso, que estamos questionando, pois a convenção de sindicatos não deveria deliberar sobre o horário de funcionamento, mas somente deliberar sobre a jornada de trabalho e as leis trabalhistas previstas na CLT”.

Quer receber as notícias no Whatsapp? Clique aqui

Ele contou ainda que durante a audiência, o juiz ouviu todas as partes e que deu um prazo de 20 dias para que o assunto seja resolvido.

“Fizemos nossas contestações, os sindicatos também e agora a ação continua. Ele falou que as empresas que tenham interesse em alterar o horário que se manifestem, para ver a resposta de como é o pagamento, porque o sindicato cobra de alguns, cobra de outros, mas não tem uma tabela de valor. Então, o juiz colocou isso em ata e tem 20 dias para fazer as defesas, mas ele quer resolver esse assunto, e entende que Rio do Sul precisa se modernizar”.

O presidente adiantou que depois desse período de 20 dias, será realizado uma nova audiência para ser esclarecido de que forma os sindicatos estão fazendo esse acordo.

Quer receber as notícias no Whatsapp? Clique aqui

“O juiz também pediu para que os lojistas se façam presentes nas reuniões, justamente para que polêmicas assim, não aconteçam e que não façam acordos de forma equivocada”.

Sobre a perspectiva das negociações, Eduardo disse que há uma expectativa grande de haver uma nova convenção, onde exista um horário ampliado e todas as dúvidas esclarecidas.

“Foi uma audiência bastante positiva por uma nova Rio do Sul e acredito que estamos num bom caminho. O juiz usou uma expressão de que “mexeram no formigueiro” e agora nós vamos ter que resolver isso, porque Rio do Sul não pode continuar assim. Inclusive o próprio prefeito José Thomé participou da audiência, e se manifestou dizendo que Rio do Sul precisa avançar, precisa encontrar uma solução”.

Quer receber as notícias no Whatsapp? Clique aqui

Em relação à outra polêmica, a do horário de funcionamento do Sábado Feliz, o presidente falou que aconteceu uma coincidência nas duas reivindicações, mas que a Acirs pede no momento, a flexibilização.

“A ação que nós ingressamos foi a liberação e a flexibilização do horário conforme a Lei Municipal, mas houve uma coincidência de que neste mesmo período, houve a polêmica do Sábado Feliz. Mas esta é uma outra convenção do sindicato, outra situação que afeta não só Rio do Sul, mas outros municípios da região”. O Diário do Alto Vale entrou em contato com os sindicados, mas não obteve êxito.

Elisiane Maciel