Por: diario | 14/08/2018

No fim de semana o Partido dos Trabalhadores (PT), do Alto Vale, realizou um evento no Salão da Igreja Santa Ana em Rio do Sul para apresentar seus candidatos nessas eleições, entre eles a pré -candidata ao Senado, Ideli Salvati, que falou sobre a volta para as campanhas políticas.

“Tem uma pergunta que todos estão me fazendo, por que eu voltei para esta campanha eleitoral. Eu voltei porque eu não posso ver esse desmonte do país, esse desmonte de Santa Catarina e eu quero contribuir, se as pessoas entenderem que eu posso ajudar, assim como já ajudei enquanto senadora e ministra”.

Na eleição de 2002, Ideli tornou-se a primeira mulher a ser eleita senadora de Santa Catarina e depois esteve à frente do Ministério da Pesca e Agricultura, em 2011. Até 2015 fez parte da Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República, no governo Dilma e diz que colocou seu nome com o apoio de todo o partido. “Coloquei meu nome à disposição do Partido dos Trabalhadores, estou como pré-candidata, já aprovada pelo partido, para concorrer a uma das vagas ao Senado. Iremos fazer o registro agora no dia 15.”

 

Quer receber as notícias no Whatsapp? Clique aqui

 

Com mais de 60 anos Ideli conta que já se preparava para cuidar dos netos, mas que a atual situação da política nacional não a permite a tranquilidade da vida em casa. “Para mim foi uma decisão muito difícil, porque eu já estava com tudo praticamente encaminhado para cuidar do meus netos, só que o que estão fazendo com o país, o que estão fazendo com o Estado de Santa Catarina, não me permite ficar em casa” conta.

A bandeira levantada pela pré-candidata a senadora é de criar políticas públicas para aqueles que mais precisam, incluindo também a agricultura, um dos setores mais produtivos da região do Alto Vale. “Tivemos por quase 13 anos governos altamente comprometidos com a melhoria da qualidade das pessoas. Nós incluímos, tiramos da miséria, demos oportunidades de estudo, oportunidade de trabalho, nós fizemos o maior programa habitacional do planeta.

Na agricultura familiar, que é tão importante aqui no Alto Vale, teve apoio, financiamento e programas específicos” disse Ideli. Ela relembrou também outras conquistas para as regiões e ressaltou a importância da qualidade de vida para a população. “A gente vê programas fantásticos que atendiam a população, e digo mais, atendiam prioritariamente a população que mais precisa. Porque quem ganha um pouco melhor pode se virar de maneira diferente, mas agora a pessoa de baixa renda, que trabalha de sol a sol, essa pessoa precisa do governo, precisa do estado cuidando dela, fazendo políticas para que ela possa ter uma melhora na qualidade de vida e foi isso que me motivou” afirmou a pré-candidata.

Visita ao Alto Vale

Em visita a região, Ideli comentou sobre a atuação do Instituto Federal Catarinense, com três campos ativos em Rio do Sul. “Rio do Sul é a única cidade do país que tem três campos, o rural, o urbano e o tecnológico, isso tudo porque tem um governo compromissado. Agora com corte de orçamento e congelamento por 20 anos, vai acabar, não vai ter. E é por isso que eu voltei, porque quero voltar a ajudar o Brasil, os brasileiros e de forma muito especial Santa Catarina.”

A pré-candidata ainda comentou sobre o atual governo e o crescimento do desemprego no país. “Hoje quem está lá desgovernando o país são pessoas que não tem compromisso com o país, não tem compromisso com o interesse dos brasileiros e principalmente não tem compromisso com os trabalhadores, nem os rurais e nem os urbanos. Hoje o desemprego é recorde, mais de 14 milhões de pessoas desempregadas. Quando a Dilma terminou seu primeiro governo, nós tínhamos 4% de pessoas desempregadas e hoje chega a quase 14%” declarou.

Outras lideranças

Também participaram do evento o pré-candidato a governador, Décio Lima, o pré-candidato ao Senado, Lédio Rosa, os pré-candidatos a deputado federal Pedro Uczai, Ana Paula e Dirceu Dresch e o pré-candidato a deputado estadual, Jean de Liz.

Susana Lima