Por: diario | 06/01/2015

Natacha Santos

Quando Fabiano Nazário chegou para abrir as portas da sua mecânica multimarcas na manhã de ontem foi surpreendido por uma fila de motoristas. Eles estavam aguardando para trocar os extintores para o modelo ABC, conforme obriga a lei vigente desde o dia 1º de janeiro deste ano.

Os novos modelos substituem os antigos BC e prometem ser mais seguros. Como a falta do equipamento gera multa grave, com cinco pontos na carteira, R$ 127,69 de penalização e mais a retenção do veículo até a regularização dele, muita gente já quis se prevenir. Mas quem deixou para fazer isso na última hora, pode ficar na mão. Alguns estabelecimentos em Rio do Sul já estão com falta do produto no estoque. Nazário conta que tinha uma boa quantidade do equipamento em sua loja e ainda na manhã de ontem fez oito trocas. “Já temos até uma fila de espera, porque para cada modelo de carro, é um tamanho de extintor, aí complica um pouco”, explica.

Apesar da correria pelos novos modelos de extintores, os motoristas não podem usar a desculpa da falta do equipamento, já que foram cinco anos para se adaptar, pois a resolução foi aprovada em 2009 e desde então as montadoras são obrigadas a incluir o extintor ABC como item de série. Porém, Nazário observou que alguns proprietários de veículos com modelos mais novos procuraram o estabelecimento com o modelo antigo de extintor. “As montadoras não respeitaram a lei. Troquei extintor de modelos 2011 que, em tese, já deveriam vir com o ABC”, conta.

A supervisora da 7ª Ciretran, Ana Carolina de Oliveira, ressalta que os agentes de trânsito já estão orientados a obedecer a nova legislação. Segundo ela, é de praxe consultar a situação do extintor veicular tanto em blitze como em acidentes de trânsito. “Desde o dia 1º a medida está valendo, então os agentes podem aplicar a multa. Normalmente, em fiscalizações, o extintor é um dos primeiros itens a ser verificado”, destaca.

Segundo Ana Carolina, a principal diferença do novo modelo é que esses extintores são eficazes no combate ao fogo que se propaga por materiais sólidos, como pneus, tapetes, bancos e painéis do carro. “O modelo ABC é mais seguro e tem validade de cinco anos, diferente dos equipamentos do tipo BC, que vencem a cada três anos e podem ser reabastecido apenas uma vez, com prazo de validade de um ano após a nova carga”.

Atualização: 

Após o fechamento desta edição, na noite de ontem, foi divulgada a decisão do Ministério das Cidades de suspender por 90 dias a obrigatoriedade do extintor de incêndio ABC. A suspensão vale por 90 dias. Neste período, nenhum motorista poderá ser multado por não ter o extintor ABC. 

box