Por: diario | 12/06/2018

O trabalho de monitoramento de obras do Governo do Estado ficou mais ágil e econômico em Santa Catarina. O Escritório de Gestão de Projetos (Eproj/SC) acompanhou, pela primeira vez, a situação de mais de 70 obras da área da Assistência Social em execução em 62 cidades do Estado sem sair de Florianópolis. A equipe utilizou a estrutura do Centro Integrado de Gerenciamento de Riscos e Desastres (Cigerd), que está interligado a outros 20 centros regionais espalhados por Santa Catarina.

O local, considerado referência internacional na gestão de crises e de risco, servirá também para atividades rotineiras da Secretaria de Estado do Planejamento (SPG), que gerencia todos os mais de 700 projetos do Pacto por SC, através do Eproj.

 

Receba primeiro as notícias do Jornal Diário do Alto Vale, faça parte do grupo de Whatsapp. Clique aqui 

 

Experiência

Uma equipe do Escritório reuniu-se remotamente com 26 fiscais responsáveis pelas obras da Assistência Social, vinculados a diferentes Agências de Desenvolvimento Regional (ADRs), para fazer um levantamento sobre a situação dos trabalhos em cada município. Antes, era preciso reunir cerca de 30 pessoas, entre gestores, arquitetos e engenheiros em única uma cidade, gerando altos custos com deslocamento e diárias para o Governo do Estado.

O gerente de programas prioritários, Vitor Correa, gestor responsável pelos projetos da SST junto ao Pacto, e a arquiteta do Eproj, Bárbara Martins Godeny, explicam que, a partir de agora, todo o monitoramento pode ser realizado à distância, com qualidade, rapidez e mais frequência. Na última quinta-feira, os técnicos trocaram informações sobre a construção de Centros de Referência de Assistência Social (Cras) e Centros de Referência Especializado de Assistência Social (Creas) em único dia de trabalho e utilizando os mais modernos equipamentos de transmissão por meio de videoconferência.

“Esta é uma nova forma de gestão, em que é possível otimizar o tempo dos técnicos e agilizar o andamento das obras. A partir do momento que acaba a reunião, cada profissional já pode voltar a trabalhar imediatamente em seu projeto, sem perder horas ou dias de deslocamento”, explica a coordenadora do Eproj, Valéria Madalena Vieira Lazzaris.

Cigerd

Mais do que a estrutura física, o Centro representa um modelo estratégico de comunicação e gestão de crise no qual é possível interligar todos os setores do Governo e promover ações sincronizadas entre diferentes órgãos.

O Cigerd de Florianópolis concentra em um único local todas as setoriais do Governo, as forças de segurança e os órgãos federais de assistência humanitária para atuar de maneira integrada, reduzindo, assim, o tempo de resposta do Estado à sociedade. Ele é autossuficiente, funcionando mesmo sem energia elétrica, e preparado para manter a comunicação com as outras 20 regionais de Gerenciamento de Riscos e Desastres do Estado.