Por: diario | 26/02/2019

Os grupos mais próximos ao governador Carlos Moisés da Silva se dividem entre duas vertentes quando o assunto é a nomeação de parentes de policiais militares para cargos em áreas do governo do Estado, principalmente na Casa Militar. O caso ganhou repercussão nos últimos dias com a divulgação de uma lista de familiares indicados para funções de confianças no setor responsável pela segurança do chefe do Executivo e da vice-governadora.

Parte dos assessores de Carlos Moisés, no entanto, tem dito a ele que mantenha as nomeações sob a justificativa de qualquer movimento no sentido contrário o levaria a mexer em qualquer tipo de nomeação semelhante. Por outro lado, há um grupo de pessoas de confiança do governador que recomenda as exonerações dos indicados para evitar maiores danos à imagem do governo. Oficialmente, apenas a Casa Militar se manifestou defendendo as escolhas.

Quer receber as notícias no Whatsapp? Clique aqui

Nos bastidores houve uma forte reação entre os oficiais da Polícia Militar (PM), que na sua maioria questionam as nomeações. A distribuição dos cargos, dizem os mais críticos, atinge a própria categoria da qual o próprio governador é oriundo. Entra também na lista de argumento o discurso de campanha de Carlos Moisés, baseado nas indicações técnicas para cargos.

Fato é que as nomeações de familiares criaram um desgaste interno desnecessário para o governo. Por mais especializados que sejam os nomes indicados para os cargos, há se de levar em conta o parentesco com os militares sob pena de uma desqualificação geral dos escolhidos, como vêm ocorrendo. Até o momento, Moisés vem seguindo a orientação dos que preferem deixar como estar. A conferir se resistirá à pressão de quem questiona e pede uma mudança de cenário.

Por Ânderson Silva
NSC Total