Por: diario | 31/01/2020

 

A pouco mais de dois meses da data-limite para que os futuros candidatos a prefeito e vereador estejam filiados aos partidos pelos quais pretendem concorrer, o cenário eleitoral começa a se desenhar em Rio do Sul. Os últimos meses foram marcados por aproximações inesperadas, como é o caso do PSDB e MDB. Para a disputa da majoritária, alguns nomes já surgiram, como é o caso de Dionísio Tonet e de Jaime Pasqualini, pré-candidatos do PSL e PL, respectivamente, além do prefeito José Thomé, do PSDB, mas que ainda não confirmou se fica ou não no partido tucano.

 

A dança das cadeiras pode ter mais episódios em breve. A possível ida do prefeito Thomé para o PSD, partido do vice-prefeito Paulo Cunha, foi confirmada pelo presidente da sigla em Santa Catarina, o deputado estadual Milton Hobus. Outra mudança que pode ocorrer para que a chapa vencedora da eleição de 2016 seja mantida, é a saída de Cunha do PSD. Informações de bastidores confirmam que o vice deve deixar o atual partido para filiar-se no MDB e assim, compor a coligação entre as duas siglas.

 

Questionado sobre esse cenário, Hobus se manifestou:

“Temos uma forte ligação com o prefeito Thomé e o vice Paulo Cunha. Os dois vêm fazendo um grande trabalho e é da vontade do Thomé deixar o PSDB e vir disputar essa eleição conosco. Como nós vamos harmonizar isto? Aí é algo que vamos conversando e possivelmente só vamos definir no final de março. A questão do Paulo Cunha, acho que é algo que ele mesmo tenha que resolver, mas tenho certeza de que ele vai fazer uma boa escolha para que nós possamos ganhar as eleições e dar continuidade a esse belíssimo trabalho que vem sendo feito aqui em Rio do Sul”, explica. Hobus não acha que a mudança de partido do vice seria algo saudável e diz que não vê necessidade nesta alteração. “Não acho saudável nem necessário”, complementa.

 

Thomé foi procurado para falar sobre o assunto e confirmar se deixa ou não o PSDB, mas preferiu se manifestar por meio da assessoria de imprensa.

“Em nota, o prefeito José Thomé ressalta que no momento não está preocupado em filiação partidária. Permanecerá focado em ações em prol da cidade e que anunciará sua decisão em breve.”

 

Executivo x MDB

 

 

Rivais na última eleição, no ano passado o MDB teve uma aproximação significativa com o governo José Thomé. O presidente do PSD vê com bons olhos a aproximação e acredita que isso tenha ocorrido pelo reconhecimento do MDB com o Executivo em virtude do trabalho que vem sendo feito em Rio do Sul.

“É um partido de expressão no município e que consegue reconhecer o bom trabalho que está sendo realizado”, comenta. “Queremos o MDB do nosso lado para contribuir com o crescimento da cidade e não simplesmente por uma troca de cargos e favores”, completa.

Luana Abreu