Por: diario | 29/12/2017

O Brasil fechou mais de 12 mil vagas de trabalho em novembro, mesmo após a entrada em vigor da reforma trabalhista. Os setores que mais demitiram foram o da indústria da transformação, da construção civil e agropecuária.

Mas devido às festas de fim de ano, outros setores aproveitaram o mês para contratar. O comércio, por exemplo, criou mais de 68 mil vagas. Os dados são do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) e foram divulgados na quarta-feira (27), pelo Ministério do Trabalho.

Apesar da diminuição dos postos de trabalho no mês passado, o ex-ministro da pasta, Ronaldo Nogueira (PTB), diz que os dados são melhores que nos dois meses anteriores. No mesmo dia da entrevista, Nogueira pediu exoneração do cargo ao presidente da República, Michel Temer (PMDB). O substituto será o deputado Pedro Fernandes (PTB-MA). Segundo o líder do partido na Câmara, deputado federal Jovair Arantes (GO), Nogueira queria sair do ministério em outubro a fim de se preparar para as eleições de 2018, na qual se recandidatará a deputado federal, mas, como havia se comprometido com a bancada do partido, permaneceu até dezembro no cargo.

Mais dados do Caged

Ainda segundo dados do Caged, de janeiro até novembro deste ano, foram criados cerca de 300 mil postos de trabalho com carteira assinada. Apenas em novembro, o Sul criou mais de 15 mil vagas e no Nordeste foram mais de 3,7 mil.

Já Sudeste, Centro-oeste e Norte demitiram juntos no mês passado mais de 30 mil trabalhadores.

O Ministério do Trabalho prevê que neste ano a criação de empregos deverá ficar estável, mas têm boas expectativas para 2018, isso porque o PIB

Produto Interno Bruto do país deverá ser maior

De acordo com o ex-ministro, quanto maior o índice, maior a geração de vagas de trabalho.
Agora se o PIB de 2018 ficar em 3,5 %, o Ministério do Trabalho prevê que mais de dois milhões de brasileiros consigam um emprego com carteira assinada.

Dados em Santa Catarina

Santa Catarina registrou a abertura de 4.995 vagas de trabalho em novembro, o segundo melhor resultado do país, de acordo com o Caged. No acumulado do ano, de janeiro a novembro, foram 51.550 novos empregos no Estado.

Segundo o governador de Santa Catarina, Raimundo Colombo (PSD), após a divulgação dos dados, o Estado tornou-se novamente referência na geração e empregos. “Calculando todos os empregos gerados em 2017, Santa Catarina foi o estado que mais gerou empregos. Essa é a ação social mais importante, é aquela que fortalece o emprego de quem já está trabalhando e abre oportunidade para novos trabalhadores, que é o que a gente quer para todo Brasil”, comemora.