Por: diario | 05/02/2020

 

O presidente do MDB de Rio do Sul, Fernando Cezar Souza, o Nandu, rebateu a fala do presidente do PSD em Santa Catarina, o deputado estadual Milton Hobus. Em entrevista ao DAV na semana passada, Hobus comentou sobre a possível ida do vice-prefeito Paulo Cunha ao MDB e também da aproximação do partido com o Executivo no ano passado.

 

Para o deputado, a coligação entre MDB e PSD, partido que, segundo ele, será o destino do prefeito Thomé, é positiva.

“Queremos o MDB do nosso lado para contribuir com o crescimento da cidade e não simplesmente por uma troca de cargos e favores”.

 

Para Nandu, o MDB é um partido de expressão e que sempre esteve como ator principal no cenário político rio-sulense e não como coadjuvante.

“Em nenhum momento vamos participar de qualquer projeto por troca de favores ou cargos políticos. Não é essa a nossa intenção, ainda mais nesse novo jeito de fazer política que propomos ao partido”, explica.

 

O presidente ainda comentou sobre a atuação dos deputados da sigla, Carlos Chiodini, Rogério Peninha Mendonça, Jerry Comper, além do falecido Aldo Schneider, sobre à destinação de recursos para o município.

“Foram deputados que contribuíram de maneira significativa com Rio do Sul. Nos últimos cinco anos, foram destinados cerca de R$ 50 milhões para o município”, comenta. “O maior recurso intermediado pelo deputado Carlos Chiodini no Vale do Itajaí, no valor de R$ 5 milhões, veio para Rio do Sul e será utilizado na construção do novo ginásio. Então temos uma participação significativa”, completa.

 

Sobre a possível ida do vice-prefeito Paulo Cunha para MDB, Nandu explica que essa não é mais a vontade da executiva, já que o partido tem bons nomes para a disputa da majoritária.

“Ano passado houve uma conversa quando eu ainda não estava como presidente, mas agora não vejo mais isso acontecer, até porque o MDB tem nomes pra ser o ator principal em Rio do Sul”, pontua.

 

Os nomes ao qual ele se refere são dos vereadores Cariso Giacomini e Zeli da Silva, além de Ademir Kaiser, Charles Cimardi e do próprio presidente.

 

Outro assunto que corre nos bastidores da política rio-sulense é a ida do ex-vice-prefeito Jean de Liz para o MDB. Conforme Nandu, os dois já tiveram contato, mas ainda não há confirmações sobre a filiação.

“O partido está aberto para qualquer pessoa que tenha interesse de vir compor o projeto de cidade que queremos fazer e apresentar à população”, comenta.

 

Sobre coligações para a disputa eleitoral deste ano, Nandu explica que as tratativas entre MDB e PL estão bem avançadas.

“Já vem de eleições passadas nossa aproximação com o PL. Acredito que podemos estar juntos novamente neste ano”, afirma. Ele também não descartou a chapa entre MDB e PSD. “Sempre falamos que o partido seria ou participaria da próxima administração de Rio do Sul. Queremos o melhor pra cidade e pro MDB”, salienta.

 

Luana Abreu