Por: diario | 19/07/2017

Planejamento é talvez um dos fatores cruciais do sucesso de uma administração pública. Pensar e executar obras dentro de um padrão de crescimento sustentável e mobilidade urbana bem alinhados é um grande desafio, mas as cidades que têm trabalhado de acordo com esses princípios obtém resultados positivos a médio e longo prazo.

Laurentino deseja ser um desses exemplos e expandir da área central a região de construções urbanas, e o prefeito Gilberto Marchi (PSDB) está trabalhando com sua equipe alguns meios para obter os recursos necessários para a execução desse planejamento.

Uma possibilidade latente de dinheiro é o montante oriundo do Fundam 2, anunciado pelo governador Raimundo Colombo no último mês. Marchi esteve na cerimônia do pronunciamento e chegou a dialogar com Colombo acerca do possível valor a ser destinado para seu Município.

“A gente se fez presente, conversamos com o governador, e de imediato, a palavra do governador é que todos os municípios terão o valor de R$ 800.000”, afirmou o prefeito. Ele ainda salientou que a administração segue em busca de outras alternativas. “Estamos lutando agora através de emendas parlamentares para podermos aumentar esse volume financeiro”.

O prefeito destaca duas obras que seriam de “suma importância para Laurentino”, e seriam contempladas pelo Fundam 2. “A abertura da ponte pênsil, no Centro da cidade, onde haveria a possibilidade de veículos e, talvez, até mesmo de caminhões. E também o asfaltamento da rua 1º de maio”, pontua o peessedebista.

Na programação de realizações de sua gestão, Marchi ainda revela mais algumas obras de pavimentação como prioridade. “O recapeamento também da Avenida Colombo Machado Sales”.

Ele explica esse planejamento como uma forma, inclusive, de precaução contra as enchentes e de viabilizar novas “transenchentes”, para que as pessoas já visualizem a possibilidade de construírem suas casas e até mesmo comércios em locais mais retirados.

“Quem sabe tudo isso seja um passo para o futuro de Laurentino. Para crescimento, desenvolvimento e que dessa forma possamos descentralizar um pouco o Centro da cidade”, concluiu Marchi.

O prefeito ainda deixa uma reflexão importante que poderia servir como referência para outros gestores, públicos ou privados. “A diferença entre o sábio e o inteligente, é que o sábio pensa a longo prazo”.

Airton Ramos