Por: diario | 14/03/2019

Mais um apartamento do Residencial Augusto Fenski, que fica no bairro Rainha em Rio do Sul, irá à leilão neste mês. A tentativa de venda vai acontecer no Fórum de Justiça de Rio do Sul a partir das 13h do dia 27. O valor do lance inicial será de R$ 110 mil e caso a venda não seja efetivada, um novo leilão já está marcado para o dia 3 de abril.

Em fevereiro deste ano, dois leilões de nove apartamentos, sendo sete do Residencial, já haviam sido realizados, mas, de acordo com o síndico Jonas Anacleto, o motivo de desta vez o apartamento ir sozinho para o leilão, é que nos últimos dois não houve tempo para que o juiz intimasse o proprietário do imóvel e o deixasse ciente da ação. “Este apartamento que vai para leilão era para ter ido nos leilões anteriores, junto com os outros, só que como ficou muito em cima da hora para o juiz intimar o proprietário, não deu tempo de incluir naqueles leilões. Então ele deixou para lançar nesse próximo que acontece neste mês para ser leiloado sozinho”.

O motivo da ação, é a falta de pagamento do condomínio pelos proprietários e de acordo com Anacleto, tanto no primeiro quanto no segundo leilão, que foram realizados no dia 7 e 14 de fevereiro, nenhuma venda foi efetivada. Ele disse ainda que uma nova avaliação dos apartamentos foi feita por um corretor de imóveis, mas não tem a confirmação se a justiça irá acatar uma nova revisão no preço ou se continuará o mesmo já avaliado.

A empresa Monarka, responsável por administrar os condomínios do Residencial, informou que ainda não há informação se vai acontecer um próximo leilão de imóveis se acaso não houver venda nestes já programados.

Entenda porque imóveis serão leiloados

O síndico explicou que o total mensal do condomínio é de aproximadamente R$ 5 mil, com uma taxa de pouco mais de R$ 102 por mês para cada morador, e mesmo assim, muitos proprietários nunca pagaram nenhuma parcela desde que o imóvel foi inaugurado, há quase cinco anos.

Jonas disse ainda que o dinheiro faz falta para a própria manutenção do condomínio, e hoje, se for somada a dívida de todos os moradores já passa de R$ 80 mil. Além disso, a inadimplência chega a metade dos condôminos, situação que faz com que os condôminos adimplentes acabem pagando todas as contas de água e gás.

Antes de ir para leilão, Jonas explicou a administradora do condomínio, tentou fazer um acordo com os condôminos que tinham inadimplência, mas, não obteve sucesso. Jonas contou que por este motivo, os próprios proprietários adimplentes determinaram e aprovaram em assembleia a contratação de uma advogada especialista na área, para que o leilão fosse executado.

Elisiane Maciel