Por: diario | 14/02/2020

 

O Banco do Brasil registrou lucro líquido contábil de R$ 18,16 bilhões em 2019. O resultado representa um aumento de 41,2% na comparação com 2018, quando a instituição lucrou R$ 12,86 bilhões. Já o lucro líquido ajustado do banco, que exclui itens extraordinários, somou R$ 17,84 bilhões no ano passado, valor 32,1% maior se comparado ao mesmo período de 2018.

 

Segundo o banco, o resultado foi impulsionado pelo aumento da margem financeira bruta, associado à redução da despesa com provisões para calotes e pelo crescimento das receitas com prestação de serviços acima das despesas administrativas.Somente no 4º trimestre, o lucro líquido foi de R$ 5,69 bilhões, com crescimento de 49,7% na comparação com os últimos 3 meses de 2018 e alta de 33,8% na ante o 3º trimestre, quando o lucro foi de R$ 4,25 bilhões.

 

Já o lucro líquido ajustado somou R$ 4,62 bilhões no 4º trimestre, alta de 20,3% na comparação com o mesmo período do ano passado.

 

O retorno sobre patrimônio líquido (RSPL), que mede como o banco remunera o capital de seus acionistas, cresceu para 17,3% em 2019, frente a 13,9% em 2018. Segundo o BB, o resultado reforça “o compromisso de aumento da rentabilidade de forma sustentável”. As receitas com prestação de serviços e tarifas cresceram 6,4% no comparativo anual e 0,6% em relação ao trimestre anterior.

 

O percentual de operações de crédito com atraso de mais de 90 dias no pagamento recuou para 3,27% em dezembro, ante 3,47% no final do 3º trimestre. No final de 2018, estava em 2,53%.

Previsões

 

 

O banco espera que seu lucro líquido recorrente em 2020 fique entre R$ 18,5 bilhões e R$ 20,5 bilhões, o que implica um aumento potencial de 15% em relação aos resultados do ano passado.
O Banco do Brasil prevê que sua carteira de empréstimos retome o crescimento em todas as linhas em 2020, com os empréstimos ao consumidor continuando a liderar a expansão. A expectativa é que o crescimento total da carteira de empréstimos fique entre 5,5% e 8,5% em 2020, destaca a Reuters.

 

Em novembro, o vice-presidente financeiro, Carlos Hamilton Araújo, disse a analistas que os resultados de 2020 seriam impulsionados por empréstimos ao consumidor e menores despesas com provisão para perdas com empréstimos.

 

No comando do Banco do Brasil desde janeiro de 2019, o presidente Rubem Novaes vem tentando encontrar maneiras de tornar a instituição financeira controlada pelo governo mais competitivo para enfrentar rivais privados. O banco tem vendido alguns ativos considerados não essenciais e também formou joint ventures para expandir alguns negócios, como a joint venture para o banco de investimento anunciada em novembro com o UBS Group AG.