Por: diario | 06/12/2018

O julgamento do processo que pede a inelegibilidade do presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL), e envolve o empresário catarinense Luciano Hang, teve pedido de vistas durante o julgamento no Tribunal Superior Eleitoral (TSE), nesta terça-feira (4). O pedido foi do ministro Edson Fachin.

A ação foi apresentada pela coligação O Povo Feliz de Novo (PT, PCdoB e PROS), e alega abuso de poder econômico com base na publicação de vídeos produzidos por Hang, o que, para a coligação, teria favorecido a campanha de Bolsonaro. O foco da ação foi um vídeo, publicado pouco antes do primeiro turno, em que o empresário catarinense fala aos funcionários – o mesmo vídeo é alvo de uma ação movida pelo Ministério Público do Trabalho (MPT).

Quer receber as notícias no Whatsapp? Clique aqui

No momento em que a votação do TSE foi interrompida pelo pedido de vistas, quatro ministros – Admar Gonzaga, Tarcísio de Carvalho Neto, Luís Roberto Barroso e Og Fernandes – haviam seguido o voto do relator, ministro Jorge Mussi, contrário ao pedido da coligação do PT.

Mussi questionou as provas obtidas pela coligação, e argumentou que as afirmações de Luciano Hang no vídeo em questão “não constituem ato de coação, mas de desabafo pessoal”.

Além disso, considera o número de pessoas que poderiam ter sido influenciadas pelas afirmações do empresário pequeno, em relação ao universo de eleitores. Os votos dos ministros do TSE podem ser alteradas até o fim do julgamento.