Por: diario | 10/02/2018

Nesta sexta-feira (9), o Presidente da Frente da Micro e Pequena Empresa do Congresso Nacional, deputado Federal Jorginho Mello (PR), esteve nas cidades de Agrolândia, José Boiteux e Rio do Sul, para reuniões com as lideranças locais.

Hoje o parlamentar luta para derrubar o veto integral do presidente Michel Temer ao refinanciamento de débitos – Refis, para as micro e pequenas empresas. “Nós aprovamos por unanimidade o Refis para o micro e pequeno empresário. Por justiça. Como é que o Governo deu para os grandes empresários? Porque não dá para os pequenos? Os pequenos que deveriam ter recebido primeiro”, disse Jorginho que completou que o presidente vetou dizendo que não estava na previsão, “mas é má vontade, ele deu um tiro no pé”, disparou.

O deputado afirmou que está sendo articulada com todos os partidos, a derrubada do veto. “E é o que nós vamos fazer! Não tenho dúvida disso. Aí vai ficar muito mais difícil pro Governo explicar, pois 98% das empresas do Brasil, são micro e pequenas empresas e 60% dos empregos formais do país, são elas que mantêm. Então não é preciso falar muito para saber da importância que tem o micro e pequeno empresário no Brasil. São os pequenos negócios que geram emprego e renda e não podemos deixar o setor fechar as portas neste momento de recuperação econômica”, alertou.

Jorginho disse que a principal intenção é que as micro e pequenas empresas tenham as mesmas condições que as grandes tiveram de negociar os impostos que não foram pagos. “Ele não pagou porque é picareta, ele não pagou porque teve dificuldades. E o governo próprio que nos enfiou essa taxa de juro, e por aí afora. Hoje um empresário para se manter vivo, no Brasil, tem que ser artista”, comentou.

Questionado se achava que o veto do presidente poderia ter algo a ver com a Reforma da Previdência, ele foi enfático ao dizer que isso é muito relativo. “Eu não posso dizer que isso tenha alguma coisa a ver com a Reforma. Na política tudo é possível, mas eu não posso dizer se há algo relativo ou não”, disse.

Voto contra a Reforma da Previdência

O deputado federal irá votar contra a Reforma da Previdência. Para o parlamentar, o Governo Federal deve reiniciar a discussão da Reforma e que se abra as contas para demonstrar o chamado “rombo da Previdência”. “Vamos continuar firme e forte defendendo quem trabalha e quem produz nesse país. O trabalhador, os pequenos empresários e os que ganham menos não podem ser os únicos a pagar essa conta. Não cabe mais o acúmulo de benefícios e penduricalhos que acabam onerando a Previdência”, argumentou.

Outros projetos

De acordo com ele, há outros importantes pra o estado. “A bancada de forma coletiva trabalha junto para arrumar recursos, e a gente tem tido muita sorte por que isso tem funcionado. Trabalhamos muito em forma colegiada. Arrumando dinheiro para as BRs do estado. Nós temos muitas outras questões importantes para a população que estamos desenvolvendo também”, ressaltou.

Objetivos do PR

De acordo com Jorginho, hoje o Partido da República tem um grande número de deputados em exercício, e quatro senadores, “então a gente influencia muito na política nacional”. O PR definiu que quer dobrar de tamanho nas eleições de 2018. O objetivo da agremiação é eleger o governador do Estado, cinco deputados estaduais e mais dois federais.

O pré-candidato ao Governo de Santa Catarina é o próprio deputado federal Jorginho Mello, considerado por duas vezes o melhor parlamentar catarinense. “Aceitei essa missão do partido por ter experiência na vida pública, ser ficha limpa, ter uma baixa rejeição e pelo trabalho em prol da educação e das micro e pequenas empresas”, finalizou.

“O governo perdeu a capacidade, perdeu o brilho, perdeu a ponta política, muito desmando, mas temos que enfrentar, ter força. Não podemos se entregar, é o que nosso partido está fazendo”, finalizou.

Elisiane Maciel