Por: diario | 23/06/2017

Levar internet e telefonia móvel para o meio rural é o grande desafio do Projeto Piloto em Comunidades Rurais Digitais (PPCRD). A iniciativa pioneira de Santa Catarina vem chamando atenção de outros estados e já é referência em programas de inclusão digital. Tanto que as diretrizes, desafios e experiências do PPCRD serão apresentados no 2º Congresso Catarinense de Cidades Digitais. O evento, focado em tecnologias voltadas para pequenos e médios municípios, acontece hoje, em Bombinhas, e reúne prefeitos, gestores, vereadores, empresários, além de representantes de ministérios e governos estaduais.

Em fase final de instalação, o Projeto Piloto em comunidades rurais digitais atende 11 municípios catarinenses com a instalação de antenas repetidoras de sinal de internet e telefonia. A ação, executada pela Secretaria de Estado da Agricultura e da Pesca, conta com investimentos de R$ 5,5 milhões do Programa SC Rural.

As cidades beneficiadas são: Pinheiro Preto, Ipuaçu, Catanduvas, Bom Retiro, Major Vieira, Trombudo Central, Botuverá, Bocaina do Sul, Pedras Grandes, Tigrinhos e Anitápolis. Todas elas recebem a infraestrutura para instalação de internet e telefonia móvel e, em alguns casos, as torres repetidoras de sinal são totalmente alimentadas por energia solar, gerada por painéis e kits de bateria.

Durante 24 meses, os custos de implantação, manutenção, operação e gestão ficarão a cargo da Secretaria da Agricultura e da Pesca. Após esse período, o Município será responsável pelos custos.

Com o tema “Comunidades Rurais Digitais: Levando Conectividade e Internet para o Campo”, a palestra do gerente de Tecnologia da Informação e Governança Eletrônica da Secretaria da Agricultura, Fábio Ferri, acontece às 14h30, no Centro de Eventos Vila do Farol, em Bombinhas. Para mais informações sobre o 2º Congresso Catarinense de Cidades Digitais, basta acessar o site: http://congressosc.redecidadedigital.com.br/

 

Programa SC Rural

O Programa SC Rural nasceu em 2011 e termina em junho de 2017, é executado pelo Governo do Estado em parceria com o Banco Mundial e destina recursos não reembolsáveis a empreendimentos da agricultura familiar, mediante contrapartida dos beneficiários. Os empreendimentos apoiados abrangem atividades agrícolas ou não agrícolas (como o turismo rural) por meio de projetos de caráter estruturante, de melhorias de sistemas produtivos ou planos de negócios, além de outras ações implementadas por cooperativas e associações de agricultores familiares.

O SC Rural é coordenado pela Secretaria da Agricultura e da Pesca e, por envolver atividades multissetoriais, é executado por diversas instituições: Epagri, Cidasc, Fatma, Polícia Militar Ambiental, Secretaria de Turismo, Cultura e Esportes, Secretaria de Desenvolvimento Econômico Sustentável e Secretaria de Infraestrutura.