Por: diario | 24/10/2018

Com R$ 15,5 bilhões em faturamento e exportando para os cinco continentes, o setor de tecnologia representa 5,6% da economia de Santa Catarina. São 12,3 mil empresas, com receita média de R$ 1,255 milhão, mais de 16 mil empreendedores e aproximadamente 47 mil colaboradores. Esse importante segmento se destaca como um dos mais promissores para o crescimento do Estado. Não apenas pelos números, mas pelo impacto direto na modernização das cadeias produtivas, tais como metalmecânica, têxtil, agroindustrial e construção civil.

Dados mostram que o setor cresceu cerca de 10.000% desde 1986. Hoje o Estado é o terceiro maior do Brasil em densidade de colaboradores (relação entre o número de pessoas que trabalham no setor de tecnologia por 100 mil habitantes), perdendo apenas para o Amazonas e o Distrito Federal. Em faturamento médio, ocupa a quarta posição.

Entre 2015 e 2017, o número de empresas catarinenses de tecnologia subiu 3,42%, impulsionado principalmente pelas regiões Serrana e Oeste, que tiveram aumento de 10,44% e 4,75% na quantidade de empresas, respectivamente.

Quer receber as notícias no Whatsapp? Clique aqui

O desempenho positivo do setor em SC é atribuído à cadeia de apoio aos empreendedores. Uma das instituições que integram o sistema é a Associação Catarinense de Tecnologia (Acate).

“A Acate é o suporte para que os talentos que frequentam as universidades criem suas próprias empresas e disponibilizem inovações para o mercado, aumentando a produtividade de outras indústrias e movimentando a economia”, diz Daniel Leipnitz, presidente da Acate, criada em 1986.

Os polos de tecnologia estão distribuídos por todo território catarinense, com destaque para vários municípios. As empresas da Grande Florianópolis faturaram R$ 6,4 bilhões em 2017, ultrapassando o setor de turismo e se consolidando como a principal geradora de impostos para a região, de acordo com a Acate. Um feito e tanto para o segmento que no início dos anos 2000 não figurava sequer entre as cinco primeiras fontes de arrecadação.

Atualmente Florianópolis tem o maior polo de tecnologia do Estado, com cerca de quatro mil empreendimentos que empregam 16,5 mil pessoas. É o segundo do país em densidade de empresas por habitantes, atrás apenas de São Paulo, e lidera o ranking brasileiro de densidade de colaboradores: a cada um mil habitantes, 25 trabalham no setor de Tecnologia da Informação e Comunicação – TIC. Em relação ao faturamento médio, fica com a quarta posição, com R$ 1,8 milhão por empresa.

O polo de Blumenau ocupa a quinta posição no ranking de faturamento médio, com R$ 1,68 milhão. O Vale do Itajaí concentra o segundo maior número empreendimentos – são 3,3 mil negócios. Também é vice-líder em número de empreendedores, com 4,3 mil, e 10,3 mil colaboradores.

O polo de Joinville ocupa o sétimo lugar do ranking nacional quando se analisa o faturamento médio das empresas, com R$ 1,2 milhão, à frente de grandes centros como São Paulo. Sua região, o Norte catarinense, tem o maior percentual de empreendedoras no setor, o que corresponde a 30,3%. As mulheres representam ainda 43,5% da força de trabalho – a maior participação feminina do Estado. Outro destaque da mesorregião é a proporção de empreendedores com nível superior — 67,7%, a maior de Santa Catarina.

Na região Oeste, são 1,2 mil empresas, que faturam R$ 1,2 bilhão e empregam 4,6 mil pessoas. Já o polo tecnológico da região Serrana apresenta R$ 481 milhões em faturamento, somando 392 empreendedores e 336 companhias. Três mil pessoas trabalham em tecnologia da Serra.

A região Sul também está se consolidando como polo tecnológico, com 948 empresas de tecnologia, que faturam R$ 857 milhões e contam com cerca de 3 mil colaboradores. Além do destaque para Tubarão, a região ganha força com a aprovação da lei de inovação tecnológica de Criciúma.

Quer receber as notícias no Whatsapp? Clique aqui

“Inovação é uma das prioridades, pois a competitividade da indústria depende cada vez mais disso. A proposta é gerar valor na cadeia produtiva, estimulando o desenvolvimento de uma cultura para a inovação”, afirma Mario Cezar de Aguiar, Presidente da Federação das Indústrias do Estado de Santa Catarina (Fiesc). (Por Janine Alves – DC)