Por: diario | 1 mês atrás

No mês de março, em que se comemora o Dia Internacional da Mulher, o Programa Pa-kua de Ibirama, irá promover na próxima sexta-feira (29), uma oficina de defesa pessoal, especialmente às mulheres praticantes ou não dessa modalidade. A ideia do aulão, é sensibilizar as protagonistas do evento, sobre a importância do combate à violência e mostrar que nós mulheres, podemos ser parte ativa da prevenção desse tipo de problema, que cada dia mais vem crescendo no mundo todo.

O treinamento vai acontecer na casa amarela, que fica atrás da Universidade do Estado de Santa Catarina (Udesc) a partir das 19h15, e deve reunir cerca de 50 mulheres. A aula é gratuita e terá a duração de duas horas.

A oficina será dividida em duas etapas, uma roda de conversa e após, a defesa pessoal. Segundo o mestre Rogério Bodemüller Junior, a proposta do evento é criar um ambiente harmonioso, para que as mulheres possam conversar e se sentirem seguras.

“Vamos dar voz às mulheres, para que elas falem sobre os problemas que já passaram, se já sofreram alguma agressão. Será um dia, onde elas vão perceber que não estão sozinhas, nossa principal preocupação é com você mulher, queremos dar todo o suporte de segurança e de defesa para que o público feminino, não seja mais vítima de violência. Já na roda de conversa, irei apresentar dados, números de ocorrências, casos mais recentes e até inclusive de pessoas próximas a mim, que já passaram por uma situação parecida. Irei focar nesta questão de empoderamento, da mulher deixar o papel de achar que é frágil e de vítima, para uma pessoa forte quando bem quiser. A mulher tem voz e chegou a hora dela impor aquele “não” incisivo, do qual não precisará ser repetitivo por muito tempo e por um basta em toda e qualquer tipo de agressão, seja ela física, psicológica e emocional”, explicou.

Assaltos, assédios, agressões e abordagens abusivas. É bem provável que você leitora conhece ou até mesmo já deve ter vivido uma situação semelhante à esta e muitas vezes, nem sequer sabia o que fazer ou como agir na hora em que essas ofensas começaram. Para responder todas as perguntas e deixar as mulheres, crianças, jovens e até as idosas mais empoderadas, o mestre conta que o principal foco da aula, será a segurança da vítima, no caso, a mulher.

“Durante a aula, serão explorados pontos como, quando o agressor estiver armado, quando a vítima for agarrada, estiver no chão, técnicas de chutes e joelhadas em diversas alturas. As mulheres podem se defender de forma simples e rápida, com caneta, chave, bolsa, e até cachecol. Não importa o tamanho da vítima e a força, o segredo é a técnica que ela irá desenvolver contra o agressor. Vale ressaltar ainda que uma aula não será capaz de fazer milagre, o treino deve ser constante, para as mulheres estarem mais confiantes e donas de si quando se sentirem ameaçadas”, frisou.

Em relação às técnicas de prevenção, a aluna Gabriela Rodrigues Alves, explica que a experiência em cada aulão é única.

“Muitas mulheres acabam se sentindo ofendidas quando são chamadas para esse tipo de evento, mas vivemos sim, numa sociedade machista que pede atenção muito maior pelo lado da mulher. Não que sejamos frágeis, mas o mundo em si é violento, porque nunca se sabe quando alguém de mal grado pode mexer com você. Em defesa pessoal feminina, aprendemos a usar várias técnicas muito eficientes contra possíveis abusos físicos, são ensinamentos que não exigem muita força e é incrível ver como são eficientes. Você realmente sai encorajada para ser quem você é e o que quiser”, ressaltou.

Rogério ainda destaca que após o treinamento, terá também um coffe break, seguido com o sorteio de brindes para as participantes.

“Quem disse que a mulher é do sexo frágil? Vamos quebrar este paradigma juntos. Venha aprender como se defender de agressões com técnicas simples, objetivas, versáteis e efetivas de defesa pessoal, sem nem mesmo descer do salto. Empodere-se”, convidou.

Jéssica Sens