Por: diario | 26/06/2018

A greve dos caminhoneiros deve piorar, no segundo trimestre, o desempenho do Produto Interno Bruto (PIB), que sofre para deixar no retrovisor os obstáculos da recessão. Entre janeiro e março, a economia brasileira teve leve avanço de 0,4%, puxado pela agropecuária. Confirmado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) nesta quarta-feira (30), o resultado do início do ano não contabiliza as perdas causadas em diversos segmentos pela paralisação dos motoristas.

“O próximo PIB certamente será pior. Antes da greve, a economia já apresentava sinais de que andava a passos muito lentos”, analisa o economista Adalmir Marquetti, professor da PUCRS. “Ainda é difícil calcular o tamanho do prejuízo em diferentes setores”, emenda.

 

Receba primeiro as notícias do Jornal Diário do Alto Vale, faça parte do grupo de Whatsapp. Clique aqui

 

Iniciada no último dia 21 de maio, a greve dos caminhoneiros provocou a paralisação de empresas, o desabastecimento de produtos e a perda de alimentos no campo. Segundo analistas, além da piora no PIB, o movimento dos motoristas deve elevar a inflação, medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA).

Hoje, o indicador está em patamar comportado. No acumulado de 12 meses encerrado em abril, ficou em 2,76%, abaixo do piso da inflação estabelecido pelo Banco Central (BC), de 3%.

“É óbvio que a greve atrapalhará muito o PIB no segundo trimestre. Empresas paralisam operações, a agropecuária sofre com a morte de animais, o consumo e a confiança dos consumidores caem. Isso gera impacto inflacionário.

Temos um governo moribundo, que não consegue agir, uma carcaça a ser devorada pelos abutres”, critica o economista Marcelo Portugal, professor da UFRGS.

Marquetti acrescenta que a queda na produção industrial também pode respingar no mercado de trabalho.

Conforme o economista, as perdas tendem a diminuir a necessidade de novas contratações. No trimestre encerrado em abril, a população desocupada somava 13,4 milhões de pessoas no país, conforme o IBGE.