Por: diario | 03/01/2019

O governador Moisés da Silva anunciou a estratégia para tentar controlar o deficit público do Estado deste ano. Ao enfatizar que as contas públicas não fecham, enumerou as medidas para reduzir este cenário desafiador. A fórmula tem sido repetida à exaustão por outros governantes: reduzir as despesas e aumentar a receita.

As metas e medidas foram relatadas. De um lado, combate à sonegação e aprimoramento da fiscalização para elevar a arrecadação; e de outro o corte nas despesas, objetivando economia de um R$ 1,040 bilhão.

Quer receber as notícias no Whatsapp? Clique aqui

Entre as medidas imediatas estão o corte de R$ 750 milhões de isenções fiscais, eliminação de 922 cargos comissionados, ampliação do pregão eletrônico e venda dos aviões do governo. Quer zerar o déficit ainda este ano, desafio gigantesco diante da conjuntura, que poderá ser facilitado se ocorrer o esperado desenvolvimento da economia e aumento da receita estadual. De um plano mais geral, destacou o propósito de digitalização da máquina pública para atendimento das necessidades da população.

Voltou a proclamar a meta prioritária de melhorar a infraestrutura, com enfase para a rodoviária. O problema aqui é a falta de recursos. Como o Tesouro não tem disponibilidade, as alternativas ficam entre o apoio financeiro federal e os financiamentos. A malha rodoviária, por exemplo, está deteriorada em várias regiões, mas sua recuperação depende de milionárias somas para execução.

Moisés definiu as metas. A conferir agora a efetiva execução.

Por Moacir Pereira
NSC Total