Por: diario | 13/02/2019

O deputado federal Gilson Marques (Novo) declarou durante o primeiro discurso na Câmara dos Deputados, em Brasília, a renúncia de benefícios como auxílio-moradia, apartamento funcional, auxílio mudança e aposentadoria parlamentar. Ele afirmou ainda que vai trabalhar em seu mandato com uma equipe reduzida de assessores. Dos 25 cargos a que tem direito, pretende contratar menos de dez ao longo dos quatro anos de mandato.

Práticas como esta devem gerar uma economia para os cofres públicos de quase R$ 1 milhão por ano ao longo do mandato. “Se não cuidarmos do dinheiro público, vamos espoliar a população, pois o governo resolveu não ter limite e quando o governo resolve não ter limite, a população tem que viver sempre no limite”, declarou.

Quer receber as notícias no Whatsapp? Clique aqui

Segundo Gilson, a velha política não trabalha a favor do Brasil. “Somos uma máquina incrível de produção de leis. Se todas fossem aprovadas, o Brasil pararia. Isso precisa mudar”.

Para o deputado, as novas práticas políticas são a solução para o crescimento do país. “Somente esta semana foram protocolados mais de 700 novos projetos de lei, a maioria inúteis e que não geram resultado. Temos que ver as leis conforme seus resultados e não conforme suas intenções”.

Gilson Marques prometeu ser um fiscal rigoroso do uso do dinheiro público. “Ninguém cuida do outro como de si mesmo. Devemos cuidar do dinheiro público como sendo nosso”, e finaliza: “Chega dessa briga interna e de uma Câmara que anda como caranguejo, da esquerda pra direita. Eu quero uma câmara que ande pra frente! O momento é agora. É agora que temos que fazer”.