Por: diario | 13/03/2018

Alguns hábitos alimentares de consumo dos brasileiros estão sendo retomados. Depois da pré-crise econômica instalada, que fez com que os consumidores cortassem ou substituíssem itens da lista de compras, novos produtos, um pouco mais caros, estão sendo incrementados novamente.

A margarina já voltou a ser substituída pela manteiga, por exemplo. No lugar do óleo de soja, teve o aumento do consumo de azeite de oliva. Outros produtos como o requeijão, a batata congelada e o pão industrializado também ganham vez no cardápio brasileiro.

Dados da consultoria Kantar Worldpanel refletem que em 2017, mais de dois milhões de lares voltaram a comprar manteiga. A pesquisa aponta que no auge da crise o produto estava presente em 32,94% dos lares e o índice subiu para 36,80%. Assim como a manteiga, o azeite de oliva retornou à lista, os dados comprovam que 1,4 milhão de famílias voltaram a utilizar produto.

Inúmeros fatores explicam essa mudança, como por exemplo a inflação baixa, juros reduzidos, o aumento da renda, além da redução de endividamentos das famílias, que em 2015, comprometeu 22,8 % da renda mensal.

Expectativa

De acordo com cálculos do economista Maurício Molan, do Santander, mostram que o aumento salarial e o baixo índice de endividamento dos brasileiros devem liberar R$ 124 bilhões para a economia. O varejo também deve avançar, a expectativa para este ano é de 4,7% em 2018. Assim o índice deve contribuir e sustentar as previsões otimistas do Produto Interno Bruto, o PIB, em torno de 3%.