Por: diario | 1 mês atrás

As exportações da China se recuperaram em março, mas as importações encolheram pelo quarto mês seguido e a um ritmo mais forte, indicando um cenário misto da economia conforme as negociações comerciais com os Estados Unidos avançam para um fim.

Investidores aguardam sinais de recuperação econômica na China para aliviar os temores sobre a desaceleração do crescimento global, mas observadores veteranos do país disseram que os ganhos em exportação podem se dever mais a fatores sazonais do que qualquer melhora na demanda global, já que a expectativa era de salto nos embarques após feriado em fevereiro.

As exportações em março subiram 14,2% sobre o ano anterior, mostraram dados da alfândega nesta sexta-feira, crescimento mais forte em cinco meses. Economistas consultados pela Reuters projetavam ganho de 7,3% após queda de 20,8% em fevereiro.

Os embarques aceleraram cerca de 3% na comparação mensal, sugerindo alguma melhora na demanda externa, disse em nota Julian Evans-Pritchard, economista da Capital Economics. Mas ele afirmou que as exportações ainda não se recuperaram totalmente da forte desaceleração no final do ano passado.

Ampliando as preocupações, as importações da China caíram mais do que o esperado, sugerindo que a demanda doméstica permanece fraca. As importações recuaram 7,6% sobre o ano anterior, pior do que a expectativa de queda de 1,3% e acima do recuo de 5,2% em fevereiro.

Isso deixou o país com um superávit comercial de US$ 32,64 bilhões no mês, de acordo com cálculos da Reuters com base nos dados oficiais, bem acima da expectativa de US$ 7,05 bilhões. No primeiro trimestre, as exportações subiram 1,4% sobre o ano anterior, enquanto as importações caíram 4,8%.