Por: diario | 07/06/2019

O presidente estadual do Democratas, João Paulo Kleinübing, esteve no Alto Vale nesta semana e falou sobre os projetos da sigla para as eleições de 2020. Em entrevista ao Diário do Alto Vale, o político afirmou que o maior desafio do partido é a organização para as eleições sem a possibilidade de coligação para vereadores.

Ao fazer uma avaliação do partido no estado ele comenta que o Democratas vive um momento de crescimento com filiações importantes como a do prefeito de Chapecó, Luciano José Buligon, e do prefeito de Bombinhas, Paulo Henrique Dalago Müller, mas se prepara para os novos desafios.

“Nosso objetivo hoje é a discussão da eleição municipal de 2020. Estamos nos organizando dentro dessa nova configuração em que não tem mais coligação para vereador, para que possamos ter nossa nominata de vereadores e conseguir eleger um bom número em cada uma das principais cidades do estrado e a partir daí continuar esse processo de crescimento”.

Para ele, a sigla tem sido reconhecida pela coerência do seu trabalho ao longo dos anos e as eleições tem demonstrado que é necessário objetividade nas propostas defendidas. “Os partidos tem que demonstrar com clareza o que eles defendem para sociedade, antes era tudo muito genérico e não tem mais espaço para isso. O Democratas sempre teve um perfil de centro direita e sempre defendeu a liberdade econômica, que o Estado tem que ser mais eficiente então acho que essas são as bandeiras que a sociedade encontrou e queremos mostrar isso para as pessoas”, completou.

O presidente disse também que o partido é um dos maiores de Santa Catarina e que atualmente a sigla está movimentando essa grande base de filiados. Questionado sobre possibilidade de um nome para concorrer a prefeito em Rio do Sul, ele garantiu que o foco é de vencer o desafio para as eleições de vereadores sem coligações. “Esse é o desafio do nosso e de todos os partido e é nisso que estamos focados agora em 2019. Não discutimos números, mas estamos em cada município tratando desse tema e no final do ano acho que vamos conseguir no nosso congresso partidário ter uma expectativa daquilo que conseguimos fazer. Só vamos ter condições de lançar candidato a prefeito se atingirmos a nominata de vereador”, ressalta.

Planos políticos

Questionado sobre a saída do PSD em 2018 para buscar mais espaço político, Kleinübing afirmou que sua história política já começou no PFL aos 18 anos de idade, que acabou virando Democratas, e explica que migrou para o partido de Raimundo Colombo liderado por ele, mas sempre manteve o desejo de voltar às origens. “Sempre mantive o desejo de retornar e poder construir o projeto do Democratas e é o que estou fazendo, não me arrependo nesse sentido porque tenho encontrado esse espaço, essa motivação para defender aquilo que eu acredito e tenho conseguido”.

Helena Marquardt