Por: diario | 14/11/2017

O projeto “A Educação a Favor da Saúde”, desenvolvido por alunos do ensino fundamental da Escola Municipal Victória Cerutti Petters, em Apiúna, está entre os premiados nacionais do “Desafio Criativos da Escola”. O resultado foi divulgado pelo Instituto Alana, promotor do concurso, na última sexta-feira (10). A iniciativa busca envolver e estimular crianças, adolescentes e educadores de diferentes áreas no engajamento e atuação em suas comunidades.

O projeto elaborado pelos alunos de Apiúna trata do desperdício de dinheiro público causado pela falta de comparecimento aos exames e consultas agendadas pela Secretaria de Saúde do município. “Analisando os diversos problemas que envolvem a saúde, observamos o índice de faltas da população às consultas e exames agendados, o que gera um grande índice de desperdício. Buscamos intervir nessa realidade a fim de conscientizar a população quanto a sua responsabilidade do comparecimento às consultas e exames, reduzindo assim o desperdício do dinheiro”, explica a aluna do 9º ano do ensino fundamental, Brenda Formagi.

De acordo com a professora Marcela Voigt, os estudantes discutiram diversos temas que poderiam ser abordados pelo projeto, passando pelos problemas encontrados na área da saúde e também no meio ambiente. “No entanto, a falta de comparecimento aos exames agendados pela Secretaria de Saúde foi o tema que os alunos acharam mais relevante”, conta Marcela.

Durante o processo de criação, os alunos entrevistaram o secretário de Saúde de Apiúna e outros profissionais da área. Juntos, eles discutiram ações e estratégias para diminuir o problema e os gastos desnecessários, além de melhorar o atendimento à população.

Segundo a estudante Joseane Voss, as atividades iniciaram com um levantamento das consultas e exames agendados e não realizados. Depois, os alunos confeccionaram panfletos com gráficos sobre os desperdícios do dinheiro público e os distribuíram em mercados, escolas, postos de saúde e eventos em geral. “Também utilizamos recursos tecnológicos, como rádios, redes sociais e Câmara de Vereadores para passarmos a importância do comparecimento às consultas e exames agendados”, ressalta Joseane.

Para o prefeito de Apiúna, Gerson Gonçalves, o resultado do projeto foi quase imediato. Ele conta que, em apenas um mês, o não comparecimento às consultas e exames caiu mais de 80%. “O trabalho dos alunos, de baixo custo e muito empenho, traduziu-se em economia dos recursos públicos e o mais importante, melhoria no atendimento à população”, declara o chefe do Executivo.

Neste ano, o Instituto Alana, de São Paulo, recebeu 1.492 inscrições de projetos que estimulam o protagonismo e apresentam potencial de transformação no ambiente escolar e nas comunidades. O trabalho dos alunos de Apiúna concorreu com cerca de 400 municípios, de 17 estados do país.

Os alunos e educadores das equipes vencedoras ganharão um prêmio em dinheiro para investir no aprimoramento do projeto, e uma viagem ao Rio de Janeiro na primeira semana de dezembro para participar de oficinas, vivências e atividades culturais.

Carolina Ignaczuk