Por: diario | 02/03/2017

Inicia hoje em todo o território brasileiro o período de entrega de Declaração de Imposto de Renda Pessoa Física (IRPF), que se estende até o dia 28 de abril de 2017. A entrega dos dados é referente ao ano-calendário de 2016 e tem a obrigatoriedade de declarar quem obteve rendimentos tributáveis acima dos R$28.559,70 (salário, aposentadoria, aluguel, etc) , rendimentos isentos acima de R$40.000, ganho de capital (venda ou lucro com bens e direitos sujeitos a imposto), venda de imóvel com isenção de imposto, realizou operações na Bolsa de Valores, realiza atividade rural com receita bruta acima de R$142.798,50, possui bens e direitos com valor superior a R$300.000 .

Eloi Venturi, que é o delegado do Conselho Regional de Contabilidade para Rio do Sul, Agronômica, Rio do Oeste, Taió, Rio do Campo e Pouso Redondo, estima que aproximadamente 1.200.000 pessoas devam realizar a entrega do IR ao Leão em Santa Catarina, que deve ser efetivada através do programa que está disponível para download no site da Receita Federal (www.receita.fazenda.gov.br), aonde ainda, pode ver verificada a relação de documentos necessários. Mas, quem necessitar de maior segurança no preenchimento do formulário e para reunir a documentação necessária, pode procurar o serviço de um contador, deste modo, ainda, poderá antecipar o recebimento de sua restituição, pois quem declarar corretamente e no início do prazo, receberá prioritariamente.

O delegado do Conselho Regional de Contabilidade, Eloi Venturi, comenta a importância de se ter a orientação de um profissional contábil para evitar dores de cabeça neste momento: “Apesar de existir a facilidade do sistema da Receita Federal, se você digitar ou acrescentar alguma informação errada, corre o risco de cair na ‘malha fina’ e isso pode trazer prejuízos razoáveis ao contribuinte. Então, é muito importante contratar algum técnico ou contador que entenda realmente da legislação do Imposto de Renda, reduzindo assim, o risco”. Alertou Eloi.

Atualmente a tecnologia de cruzamento de dados utilizada pela Receita Federal tem demonstrado grande eficácia para inibir a sonegação de tributos no país, mesmo assim, ainda são muitos os casos de pessoas que caem na famosa ‘malha fina’, por falta de informação, preenchimento errado da declaração ou até mesmo por tentativa de fraude fiscal: “Há um número considerável de pessoas que são flagradas com irregularidades. Algumas por tentar burlar o sistema, mas muitos pelo próprio sistema da Receita Federal, que pode induzir ao erro, pois permite que seja feita a dedução em situações que na verdade existe a limitação. Falta conhecimento da legislação, pois as vezes aquilo que o contribuinte está fazendo, a norma não permite”.

Airton Ramos