Por: diario | 07/08/2018

A eleição suplementar para a escolha dos novos chefes do Executivo em Vidal Ramos já tem data marcada, será no dia 28 de outubro, mesmo dia em que acontece o segundo turno das eleições gerais, e vai contar com dois candidatos a prefeito. Uma chama é formada por Helmut Stoltenberg, (PP), com apoio do vice Nego de Souza (MDB), e a outra por Nabor Schmitz (PSD) e Ambrosio Rubick (PSD) como vice.

Para o candidato Helmut Stoltenberg, que até então atuava como vice-prefeito, a intenção é continuar o trabalho e ainda melhorar o que já vinha sendo feito em prol do desenvolvimento do município. “As expectativas são boas, estamos aguardando, fazendo o registro, vamos continuar fazendo o pedido dos votos. O que estamos prevendo é a continuidade do nosso mandato, que foi cortado e até 2020 pretendemos retornar e dar continuidade ao trabalho que já estava sendo feito”, destacou.

 

Quer receber as notícias no Whatsapp? Clique aqui

 

Já o candidato Nabor Schmitz, que já foi prefeito de Vidal Ramos por duas vezes, afirma que deixou o nome à disposição com a intenção de ver cidade cada vez melhor. “Estou indo não para falar do passado, mas para falar de presente. Nossa chapa praticou um grande gesto. Nós somos um município ainda essencialmente agrícola e eu tive a coragem e a hombridade de não só lembrar do agricultor na hora de votar , mas também de fazer ele participar efetivamente. Escolhi um homem com as mãos calejadas com os dedos deformados do trabalho, plantador de fumo e de cebola, que sabe da dificuldade de ser um agricultor. Juntos transformamos uma chapa para fazer o melhor por Vidal Ramos”, comentou.

Novas eleições

O prefeito Laércio da Cruz e o vice Helmut Stoltenberg, eleitos em 2016, foram condenados em primeira instância porque ultrapassaram os limites legais em gastos com publicidade institucional. Essa conduta é vedada por lei e está prevista no art. 73, inciso VII, da Lei nº 9.504/1997.

O juiz de primeiro grau determinou ainda, a cassação dos registros e perda dos direitos políticos de ambos pelo período de oito anos. Na sentença ele alegou abuso de poder político e econômico. Em recurso encaminhado à segunda instância, os juízes do Tribunal Regional Eleitoral (TRE-SC) decidiram, por maioria, afastar a sanção de inelegibilidade imposta ao vice-prefeito eleito, e mantiveram a cassação do registro de candidatura de ambos e apenas a inelegibilidade do prefeito eleito Laércio da Cruz.

Quem assumiu o Executivo, até que um novo prefeito seja eleito foi o presidente da Câmara Vânio Cesar Petri, vereador da base aliada pelo Partido Progressista. Com a saída dele do comando do Legislativo, a função foi assumida pelo vice-presidente Juarêz Kuhnen do MDB.

Tatiana Hoeltgebaum