Por: diario | 13/06/2017

O deputado estadual Dirceu Dresch (PT) esteve no Alto Vale nesta segunda-feira (12) e visitou algumas das cidades afetadas pelas chuvas. Além da situação dos estragos em infraestrutura, demonstrou preocupação com as perdas na agricultura. Em uma visita a redação do Jornal Diário do Alto Vale, falou dos projetos que elaborou e tramitam na Assembleia Legislativa de Santa Catarina (Alesc), dos pedidos de cassação contra o governador de Santa Catarina e também dos planos do partido para 2018 nas eleições no estado.

O deputado que é natural do Oeste do Estado, está na expectativa da aprovação do projeto que incentiva a alimentação saudável nas escolas e que prioriza a produção de alimentos sem o uso de agrotóxicos, os chamados orgânicos. “São mais de 500 famílias de produtores no estado que já deixam o agrotóxico de lado, esses agricultores têm que ter oportunidade de comercializar o produto, a sociedade quer, muitas famílias hoje já têm compreensão para a saúde, para o bem-estar e nós queremos começar pelas escolas”, disse.

Outra proposta que envolve a agricultura envolve a área de reflorestamentos, o deputado defende que as áreas de produção precisam respeitar uma distância mínima de 20 metros para cada lado da rede elétrica, para resolver os problemas de queda de energia, em virtude de galhos que se prendem à fiação, algumas emendas de outros deputados, fizeram o projeto voltar para a análise em comissões. “Vamos voltar a fazer um amplo debate para aprovar esse projeto, se não é 20 metros também não pode ser seis, a gente vai nesse segundo semestre priorizara bastante esse projeto.

Impeachment governador

O deputado também está à frente do movimento que analisa os pedidos de Impeachment contra o governador Raimundo Colombo. Dresch comenta que são dois pedidos que estão em andamento. Segundo ele o primeiro foi assinado por 28 entidades e envolve o encaminhamento do ICMS da Celesc para o Fundo Social, que não tem vinculação dos recursos, quando deveria ter ido para o Tesouro. O deputado explica que não assinou o pedido para poder fazer parte da Comissão que irá julgar. “Se nós assinássemos o Impeachment, nós não poderíamos julgar na Assembleia, como somos parte e temos que julgar, não podemos assinar”, explica Dresch.

O segundo pedido envolve as acusações de recebimento de dinheiro da JBS e da Odebrecht, para o financiamento da campanha eleitoral e o uso de Caixa 2. “As acusações são pesadas e precisam ser investigadas”, resumiu.

2018

O PT se programa para lançar candidatura própria ao Governo de Santa Catarina no ano que vem e seguirá uma tendência das últimas eleições majoritárias no estado. Desta vez os nomes cotados internamente são dos deputados federais Pedro Uczai e Décio Lima.

Sobre possíveis alianças, o PMDB que já foi aliado em edições anteriores, está praticamente descartado. “O PMDB de Santa Catarina foi o primeiro partido do Brasil que pediu a cabeça da Dilma, vai ser muito difícil essa possibilidade com o PMDB, o próprio PSDB, o próprio PSD”, declarou.

O partido buscará aliança com velhos conhecidos e que militam na mesma linha de esquerda. “Estamos fazendo esforço do PC do B, o próprio PDT que tem uma história bonita, o PT vai buscar um caminho de uma aliança pela esquerda”, concluiu Dresch.

Albanir Júnior