Por: diario | 25/01/2019

O dólar passou a cair nesta quinta-feira (24), com o mercado acompanhando a movimentação da moeda no exterior. Mais cedo, a moeda subia após comentários do presidente do Banco Central Europeu, Mário Draghi, com o mercado atento às indicações sobre a reforma da Previdência.

Às 14h20, a moeda norte-americana recuava 0,10%, a R$ 3,7581. Veja mais cotações. Na máxima até o momento, chegou a quase encostar em R$ 3,80, a R$ 3,7939.

O Banco Central Europeu deixou inalterada sua política monetária, como esperado, mantendo sua orientação para um aumento da taxa de juros após o verão, apesar de uma forte desaceleração no crescimento econômico.

Na véspera, o dólar fechou em queda de 1,13%, a R$ 3,7619, interrompendo uma sequência de 6 quedas seguidas. No acumulado na semana, o dólar ainda tem alta de 0,16%. No ano, o dólar acumula queda de 2,90% frente ao real.

O ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou em entrevista à Reuters que a proposta de reforma da Previdência que está sendo estruturada pelo governo pode render uma economia de R$ 700 bilhões a R$ 1,3 trilhão em 10 anos, podendo chegar a dois terços a mais que o esforço do governo anterior, que falhou.

Embora parte do mercado siga no aguardo por sinalizações mais contundentes da parte de Guedes, outros investidores entendem que as informações divulgadas até o momento sobre a Previdência são suficientes, segundo a Reuters.”As declarações dele não ficam no vazio, mas ele não pode chegar lá e dizer que em 20 dias vai estar tudo resolvido. O tópico principal é: precisamos fazer a reforma”, afirmou à Reuters o estrategista de renda-fixa de Coinvalores Corretora, Paulo Celso Nepumoceno.

O Banco Central realiza nesta sessão leilão de até 13,4 mil swaps cambiais tradicionais, equivalentes à venda futura de dólares para rolagem do vencimento de fevereiro, no total de US$ 13,398 bilhões. Se mantiver essa oferta diária e vendê-la até o final do mês, terá feito a rolagem integral.