Por: diario | 28/01/2017

As doações de sangue estão suspensas em Rio do Sul desde o início do ano e a expectativa é que o serviço volte a ser realizado em março. A medida foi uma determinação da coordenação das campanhas de captação e coletas externas do Centro de Hematologia e Hemoterapia de Santa Catarina (Hemosc), repassada aos Hemocentros de todo o estado. A falta de recursos do Governo do Estado pode ser o motivo para a interrupção.

A determinação de que as coletas externas deveriam ser suspensas foi repassada aos Hemocentros em dezembro do ano passado. Em Rio do Sul, as doações são realizadas no espaço do Banco de Sangue localizado no Hospital Regional Alto Vale, e o Hemosc de Lages é o responsável pela coleta. De acordo com o coordenador administrativo da unidade, Maurício Féliz Hermes, os serviços externos estão interrompidos em todo o estado.

Nas sedes dos Hemocentros as doações estão acontecendo normalmente e Hermes afirma que a intenção é que os serviços em outras cidades voltem a acontecer o quanto antes. “Em fevereiro vai ser feito um estudo para viabilizar a                questão de coletas externas no estado a partir do mês de março, então em fevereiro elas estão suspensas ainda”, afirma.

Ele relata que os Hemocentros não foram informados do motivo da interrupção do serviço, mas a hipótese cogitada é a falta de apoio financeiro do Poder Público estadual. “Nós sabemos que tinha uma crise bem grande entre o Governo do Estado e a Fahece [Fundação de Apoio ao Hemosc] no final de ano por umas questões de repasse de recursos, acredito que seja um dos motivos porque uma coleta externa acaba tendo um custo bem acentuado, mas não temos nada concreto com relação a isso”, esclarece.

Outra questão que colabora para a interrupção do serviço nessa época do ano, segundo Hermes, é a viabilidade técnica. Ele explica que no período do verão, o processo das coletas externas se torna mais delicado. “Essa região [Alto Vale] é muito quente e existem algumas prerrogativas que dizem que o sangue deve ser coletado em uma temperatura de 20 graus e tem toda a questão de transporte, então realmente é uma época do ano em que você dificilmente consegue manter a temperatura já preconizada na legislação”, detalha.

Antes do anúncio da medida de suspender as coletas externas, o coordenador reforça que um estudo foi realizado para que os bancos de sangue não fossem prejudicados. Ele afirma que a demanda do estado diminuiu e por conta disso a situação pode ser considerada tranquila. “As coletas externas servem para que a gente consiga manter o estoque único atualizado. Os Hemocentros estão conseguindo manter os bancos apenas com as coletas locais [nas unidades do Hemosc] e isso é um bom sinal”.

As doações em Rio do Sul aconteciam duas vezes por mês, e às quintas-feiras o Hemocentro de Lages realizava coletas em cidades aleatórias. Segundo o diretor, a instituição está preocupada com os doadores da região. “Nós somos os responsáveis para que essas doações aconteçam e quando a gente realiza reuniões técnicas discutimos a forma de chegar até a comunidade da melhor forma possível, para que a pessoa faça do ato de doar sangue algo interessante e que a deixe bem. Por isso, provavelmente essas coletas retornam o mais breve possível e talvez a partir de março a gente consiga fazer essa assistência não só à Rio do Sul, mas em todo o estado”, finaliza.