Por: diario | 11/12/2018

Santa Catarina vem se destacando no cenário nacional por apresentar as menores taxas de desemprego do país. Enquanto a média nacional de trabalhadores desocupados é de 11,9%, o Estado registrou um percentual de 6,5%, mas apesar dos bons indicativos, a falta de emprego continua a fazer parte da realidade de muitos catarinenses.

Para esses, a corrida contra o tempo é também um cabo-de-guerra contra o abalo na autoestima, a defasagem laboral e a desconfiança de recrutadores. Conseguir se reerguer e manter as chances de encontrar uma vaga depois de tanto tempo é tarefa difícil e depende de planejamento e disciplina.

— O importante é a pessoa se movimentar, manter a iniciativa de procurar trabalho, fazer bicos, sair para tomar um café com ex-colegas, fazer cursos pela internet. O que não pode é ficar em casa vendo TV — afirma Rose Russowski, diretora da consultoria Lee Hecht Harrison (LHH).

Quer receber as notícias no Whatsapp? Clique aqui

O principio é de que não se pode condenar alguém por não ter emprego há mais de dois anos, mas pode-se questionar por que alguém passou tanto tempo sem fazer qualquer espécie de trabalho, serviço voluntário ou cursos. Desistir da procura e aguardar que a vaga chegue por indicação é má escolha: alonga ainda mais a espera e leva ao risco de desânimo e depressão enquanto o telefone não toca.

— Às vezes, quem está desempregado há mais tempo recebe ofertas que podem não ser a vaga dos sonhos. O erro de muitos é rejeitar porque acha que vem algo melhor, e com isso continuar parado — afirma Luciana Adegas, diretora da Metta Capital Humano. — A melhor forma de conseguir um bom emprego é estar empregado e atualizado em sua profissão.

Obter a vaga após tanto tempo também envolve mobilizar amigos, parentes e ex-colegas com rodadas de contatos para lembrá-los que a procura permanece. Tão comum quanto divulgar nas redes sociais que perdeu o emprego é se esquecer de relembrar os conhecidos que a condição de desempregado permanece.

— Não adianta ter dito aos conhecidos que estava desempregado há dois anos. Tem que voltar a fazer esses contatos em novas rodadas, pois a vaga pode ter aparecido nesse meio tempo e a pessoa não ter sido lembrada — aponta Rose Russowski.

Quer receber as notícias no Whatsapp? Clique aqui

14 dicas para se recolocar no mercado de trabalho

CUIDE DO CORPO E DA MENTE

– O pior inimigo do desempregado é a TV e o sofá. Quem procura vaga por muito tempo, sem sucesso, muitas vezes desanima e se esconde dentro de casa. O risco é entrar em depressão, criando um obstáculo a mais para o emprego.

– A sugestão é organizar uma agenda com pelo menos uma saída de casa por dia: pense em museus, centros culturais, palestras, caminhadas em um parque e um café com amigos ou ex-colegas.

– Não deixe que a longa procura abale sua autoestima. Cuide da sua aparência e da higiene pessoal, vista-se bem, faça exercícios físicos e valorize as conquistas da sua vida. Criar um bom astral gera empatia e um clima mais favorável aos contatos profissionais.

AGITE A REDE DE CONTATOS

Quem perde o emprego costuma avisar imediatamente amigos e ex-colegas, mas com o passar do tempo esses contatos vão sendo deixados de lado. É importante fazer novas rodadas de contato a cada três ou quatro meses para não ser esquecido.

– Quanto mais conectado, melhor. Manter atualizados os perfis no LinkedIn e no Facebook é importante para mostrar que você segue em movimento. Além disso, as redes são férteis para anúncios de vagas. Siga consultores de Recursos Humanos, empresas de recrutamento e antigos colegas.

– Não tenha vergonha de avisar os amigos, familiares, vizinhos e ex-colegas de que está desempregado. Quanto mais gente souber desta condição, maiores as chances de chegar até você uma oportunidade de trabalho.

CAPACITE-SE

Com o passar do tempo, mudam também tecnologias, funções e exigências profissionais. Quem está afastado do mercado corre risco de ficar obsoleto. É importante manter uma rotina de cursos, programas de capacitação e participação em palestras e congressos.

– É possível que haja limitação financeira para novos cursos, e neste caso é importante buscar opções gratuitas pela internet, inclusive em módulos experimentais de cursos, e procurar capacitação barata em entidades como Senac, Sebrae e Senai.

– Caso seu mercado de atuação esteja saturado ou em crise, avalie montar um pequeno negócio, como consultoria ou firma de terceirização de serviços.

– Se for o momento de buscar outra área de atuação, avalie os programas de qualificação gratuitos de grandes universidades pela internet, que oferecem inclusive certificados. Outra opção é a Escola do Trabalhador, lançada pelo Ministério do Trabalho para Ensino à Distância, que inclui formação em idiomas e em serviços como agenciamento de viagens e consultoria em investimentos.

Quer receber as notícias no Whatsapp? Clique aqui

MANTENHA A EMPREGABILIDADE

Estar sem emprego por longo período pode ser encarado de forma negativa por recrutadores caso, ao longo deste período, a pessoa passe totalmente desocupada.

– É importante procurar trabalhos voluntários, fazer bicos e até dirigir por aplicativos. Vale buscar atividades mesmo fora de seu escopo tradicional de atuação.

– Muita gente declina de propostas com baixa remuneração por orgulho ou por que acha que logo encontrará algo melhor, e desta forma passa meses na busca, em um processo que vai se tornando cada vez mais difícil.

– Não deixe de buscar trabalho pelas fontes tradicionais. Leia os jornais, vá até as agência do Sine e reenvie seu currículo para empresas onde gostaria de trabalhar.

FONTE: Luciana Adegas, diretora da Metta Capital Humano, e Rose Russowski, Diretora da consultoria Lee Hecht Harrison (LHH).